Corregedoria critica comissário do caso Jean Charles

Ian Blair permanece calado durante audiência nesta quinta-feira e descarta deixar cargo na Polícia britânica

Associated Press e Agência Estado,

06 de setembro de 2007 | 12h05

A corregedoria da Polícia Metropolitana de Londres criticou duramente nesta quinta-feira, 6, o comissário da corporação por ter afirmando recentemente que não sabia o que estava acontecendo nas primeiras horas depois que policiais à paisana mataram o brasileiro Jean Charles de Menezes. A vítima foi confundida com um "terrorista" em um trem do metrô da capital britânica na época dos atentados na capital britânica.   Ian Blair, o comissário da Polícia Metropolitana de Londres, permaneceu em silêncio enquanto integrantes da corregedoria levantavam dúvidas sobre seu comando em audiência realizada nesta quinta-feira. Um dos corregedores chegou a perguntar a Blair se ele tinha planos de renunciar ao cargo.   Blair voltou a desculpar-se pela forma como a Polícia Metropolitana de Londres lidou com as informações nas horas que sucederam o assassinato de Jean Charles, mas disse não ter planos de demitir-se.   Jean Charles de Menezes, de 27 anos, foi morto pela polícia britânica com sete tiros na cabeça no interior do metrô de Londres em 22 de julho de 2005.   Duas semanas antes, quatro homens-bomba promoveram atentados suicidas que provocaram a morte de mais 52 pessoas em três estações de metrô e um ônibus na capital britânica. Um dia antes da morte de Jean Charles houve uma tentativa fracassada de novos atentados contra Londres.   A polícia, que mais tarde pediu desculpas pelo erro, alegou ter confundido Jean Charles com um dos suspeitos dos atentados fracassados do dia anterior à morte do brasileiro.   Uma comissão independente da polícia conduziu um inquérito sobre a morte e, no mês passado, concluiu que um dos principais assessores de Blair, o subcomissário Andy Hayman, diretor da unidade de combate ao terrorismo, havia segurado informações para evitar que elas chegassem ao comissário e outros superiores.   A comissão também concluiu que Hayman confundiu o público em declarações à imprensa em um momento no qual já sabia que Jean Charles havia sido confundido com um suspeito.   O relatório da comissão absolve Blair por não terem sido encontradas evidências de que ele soubesse do erro quando fez uma declaração elogiando a operação pouco depois do incidente.

Tudo o que sabemos sobre:
Jean charlesReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.