Corte britânica aprova deportação de acusados de terrorismo

Quatro árabes podem ser deportados daGrã-Bretanha depois de uma corte especial encarregada de julgarcasos envolvendo estrangeiros acusados de terrorismo terrejeitado na sexta-feira suas apelações. A Comissão Especial de Apelações sobre Imigração aceitou asgarantias recebidas da Argélia e rechaçou os argumentos de queos três argelinos corriam o risco de serem torturados aoregressarem para seu país natal. O órgão afirmou ainda que o quarto acusado, um jordaniano,estava protegido por um acordo de 2005 firmado pelaGrã-Bretanha e pela Jordânia determinando que os deportadostivessem seus direitos humanos respeitados. Sem esse acordo, segundo a corte, o jordaniano "correria umrisco real de receber um tratamento desumano e degradante oumesmo de ser torturado por agentes do Estado jordaniano". A Grã-Bretanha considera os homens ameaças a sua segurançanacional e diz que um deles possui ligações diretas com Osamabin Laden, líder da Al Qaeda. Os nomes completos dos quatro homens não podem serdivulgados pelos meios de comunicação. Segundo grupos de defesa dos direitos humanos, se aGrã-Bretanha possui provas contra os acusados, deveriajulgá-los. Esses grupos afirmam serem inúteis as promessas detratamento justo feitas por países onde há casos de tortura. Gareth Peirce, advogada de dois dos homens, disse que elesapelariam novamente e condenou o fato de o caso transcorrer emsegredo de Justiça. "Deixamo-nos enredar pelo vício das audiências secretas,cortes secretas, decisões secretas a respeito de apelações",afirmou Peirce a repórteres, acrescentando que os homens apenasprolongavam a batalha jurídica por temerem por suas vidas naArgélia. "Não se pode imaginar que um ser humano continuasse com umamaratona durante a qual permanece preso se não temesse apossibilidade de ser torturado ou morto." A advogada afirmou não fazer idéia do conteúdo das "provasfechadas" e confidenciais que a corte levou em consideração. A Grã-Bretanha disse que um dos argelinos, identificadopela letra U, possui laços com Bin Laden e deu apoio aosmilitantes responsáveis pelo plano para atacar, em 1999 e 2000,um aeroporto de Los Angeles e uma feira de Natal deEstrasburgo, na França. Um outro acusado, Y, foi julgado e absolvido naGrã-Bretanha de participação em um plano envolvendo o venenoricina. Mas acabou sendo detido novamente. "Mentalmente, esse homemestá totalmente arrasado", afirmou Lawrence Archer, juradonaquele processo envolvendo Y.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.