Crise econômica aumenta popularidade de Gordon Brown

Pesquisa mostra que 54% dos britânicos acham que premiê foi bem no enfrentamento do colapso

Reuters,

19 de outubro de 2008 | 16h20

A maneira como o primeiro-ministro britânico Gordon Brown lidou com a crise de crédito global corroeu a liderança do partido oposicionista Conservador em pesquisas de opinião, mostraram duas sondagens neste domingo, 19. Uma sondagem ComRes para o jornal Independent on Sunday mostrou os Conservadores apenas nove pontos à frente dos partido Trabalhista, a menor vantagem desde março.   Veja também: Especial: A cronologia da crise financeira   Dicionário da crise financeira   Se repetidos nas eleições, os números dariam ao partido Conservador uma maioria no parlamento. Mas eles mostram que o salto de Brown, desencadeado pelo papel de liderança que ele adotou na crise financeira, está sendo sustentado.   O partido Conservador abriu uma vantagem de 20 pontos nas pesquisas ao longo do verão europeu, levando membros do partido Trabalhista a desafiar o papel de líder de Brown antes das próximas eleições, que precisam ocorrer até meados de 2010.   Brown, que se tornou primeiro-ministro no ano passado após uma década como ministro das finanças, assumiu papel de liderança na reação internacional à crise de crédito global.   Seu plano de injetar bilhões de libras em grandes bancos tem sido copiado por outros países e contribuiu para reparar sua imagem de líder vacilante.   Uma pesquisa ICM para o jornal News of the World mostrou que 54% dos entrevistados acharam que Brown foi bem no enfrentamento da turbulência financeira.   A sondagem também revelou que Brown e seu ministro das finanças, Alistair Darling, eram considerados mais confiáveis para lidar com a crise do que suas contrapartes no partido Conservador, David Cameron e George Osborne.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.