Curdistão iraquiano ameaça responder à incursão turca

Além do alerta das autoridades curdas, guerrilheiros ameaçam explodir oleodutos turcos se foram atacados

Efe e Reuters,

19 de outubro de 2007 | 10h34

A autoridade do Curdistão iraquiano advertiu nesta sexta-feira, 19, que se defenderá no caso de uma incursão militar turca no norte do Iraque. A ameaça surge no mesmo dia em que o primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, pressionou  autoridades iraquianas para fechar acampamentos de rebeldes curdos no norte do Iraque e a entregar líderes guerrilheiros.   Veja também: Turquia aprova operação militar no Iraque Entenda o conflito entre turcos e curdos    Guerrilheiros curdos ameaçaram ainda atacar oleodutos turcos se as tropas da Turquia realizarem ofensivas contra eles, afirmou nesta sexta-feira um de seus líderes, segundo uma agência de notícias pró-rebeldes.   Nesta semana, o Parlamento turco deu seu aval a um pedido do governo para permitir que tropas do país cruzem a fronteira com o Iraque para combater rebeldes curdos sediados na região.   Representantes da região autônoma curda afirmaram que "o território do Curdistão está pronto para defender sua experiência democrática e a dignidade de seu povo em caso de um ataque turco". "Se o Curdistão do Iraque for atacado, estamos preparados para defender nosso território e a santidade de nossa pátria", diz o comunicado.   Segundo o governo curdo, a escalada da tensão na fronteira turco-iraquiana nas últimas semanas faz parte de um plano para levá-lo a uma guerra que a região não deseja enfrentar. "Não somos responsáveis pelo conflito entre o governo turco e os rebeldes do PKK. Não apoiamos nenhuma forma de violência nas regiões de fronteira", diz a nota.   O Conselho Supremo dos Partidos Curdos no Iraque pediu aos líderes do PKK que não dêem motivos para uma ação militar turca.   Segundo o premiê turco, uma ação contra o norte do país seria evitada se o governo iraquiano entregasse os rebeldes do PKK ao Exército da Turquia. "O que vai nos satisfazer é o fechamento de todos os acampamentos rebeldes do PKK, incluindo suas instalações de treinamento, e a entrega de líderes terroristas para nós", disse Erdogan a repórteres. Acredita-se que cerca de 3.000 rebeldes curdos, incluindo muitos de seus líderes, estejam se escondendo no norte do Iraque, de onde lançam ataques contra alvos de segurança turcos.

Tudo o que sabemos sobre:
TURQUIAPREMIEPRESSAOIRAQUE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.