Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Déficit fiscal da Espanha superará 12% do PIB, diz FMI

O resultado das contas do Estado dará um giro brusco devido à recessão e aos programas de estímulo do Governo, segundo os números do Fundo

EFE

03 de outubro de 2009 | 04h05

O déficit fiscal da Espanha subirá para 12,3% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e para 12,5% no seguinte, medido em paridade de poder de compra, segundo disse neste sábado o Fundo Monetário Internacional (FMI).

 

O resultado das contas do Estado dará um giro brusco devido à recessão e aos programas de estímulo do Governo, segundo os números do Fundo.

 

Em 2007 houve um superávit de 2,2% do PIB, enquanto em 2008 se registrou um déficit de 3,8%. Em suas estimativas, o organismo usa um PIB calculado com base na paridade de poder de compra (PPP, em inglês), que elimina as distorções pelas diferenças nos níveis de preços.

 

O FMI divulgou seus novos números em um relatório sobre a economia europeia apresentado em Istambul, às vésperas da Assembleia Anual conjunta com o Banco Mundial.

 

No estudo, a instituição destaca que o aumento do desemprego foi maior na Espanha que nos países vizinhos e que em outras recessões porque a crise mundial coincidiu com o fim de um boom da construção "extraordinário mas insustentável".

 

O FMI prevê que a taxa de desemprego suba para 20,2% no próximo ano. Os trabalhadores que mais sofreram até agora são os que contam com contratos temporários, que chegam a 25% dos empregados na Espanha, um número muito alto, segundo o FMI.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.