AP
AP

Desabrigados de terremoto ficarão em casas de Berlusconi

Premiê italiano diz que três famílias desalojadas serão recebidas em residências de Milão e Sardenha

Efe,

14 de abril de 2009 | 17h08

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, hospedará nas casas que possui em Milão e Sardenha três famílias de desabrigados do terremoto que no último dia 6 devastou a região de Abruzzo, no centro da Itália. O jornal Corriere della Sera informou nesta terça-feira, 14, que, após uma de suas visitas a Áquila, Berlusconi disse que duas das famílias poderão se instalar em sua casa da ilha de Sardenha, enquanto outra ficará em um de seus apartamentos em Milão.

 

Veja também:

lista Cronologia: Piores tremores dos últimos anos

especialEntenda como acontecem os terremotos

mais imagens Veja imagens do funeral das vítimas 

 

"Duas (famílias) irão à Sardenha. Estamos decidindo que pessoas irão, de acordo com Guido Bertolaso (chefe da Defesa Civil da Itália), e pelo menos outra irá a Milano 2 ou Milano 3", afirmou Berlusconi. Milano 2 e Milano 3 são dois centros residenciais construídos em Milão pela Edilnord, empresa construtora da Fininvest, de propriedade de Berlusconi.

 

Além disso, o primeiro-ministro da Itália disse que "está estudando que outros imóveis pode oferecer aos desabrigados". Visivelmente emocionado durante o funeral de Estado realizado em Áquila na sexta-feira pelas vítimas do terremoto da semana passada, Berlusconi ofereceu suas casas para várias famílias desabrigadas.

 

"Já que muitas pessoas ofereceram suas próprias casas para ajudar os desabrigados do terremoto, eu também farei o que puder, oferecendo as minhas", disse o primeiro-ministro da Itália aos jornalistas, após o funeral na sede de Defesa Civil em Áquila.

 

OBRAS RECUPERADAS

 

Dezenas de obras de arte que estavam em igrejas e imóveis de Áquila atingidos pelo terremoto foram recuperadas e colocadas a salvo, e começaram as inspeções de edifícios e templos de Roma, a mais de 80 quilômetros da área do terremoto, para verificar se foram danificados.

 

Desde o início desta terça, equipes do Ministério da Cultura italiano realizam inventários de edifícios civis e templos do centro histórico de Áquila, assim como da periferia e de localidades próximas também atingidas pelo tremor, recuperando as obras que guardam e as colocando em lugares seguros.

 

A maior parte das obras de artes foram transferidas para o Museu Nacional da Pré-história de Abruzzo. Assim como em Abruzzo, em Roma - a 89 quilômetros de Áquila e onde os terremotos foram sentidos - a Superintendência para Bens Arquitetônicos e Paisagísticos iniciou uma campanha para verificar se alguma igreja ou outros edifícios foram danificados.

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.