Detetive português do caso Madeleine é afastado

Investigador acusa a polícia britânica de agir sob influência do casal McCann

Reuters,

02 de outubro de 2007 | 18h31

O chefe da Polícia Judicial de Portugal, Gonçalo Amaral, foi afastado do cargo nesta terça, 2. Amaral era desde maio responsável pelas investigações do desaparecimento da menina inglesa Madeleine McCann. O nome do seu sucessor ainda não foi divulgado. Veja TambémPortugal acusa Reino Unido de beneficiar pais de MadeleineFalhas no caso Madeleine Cronologia   O afastamento aconteceu um dia após o detetive declarar ao jornal português Diário de Notícias que a polícia britânica está agindo sob influência dos pais da criança. "Eles (a polícia britânica) estão investigando as pistas e informações criadas e elaboradas pelos McCann, esquecendo que o casal é suspeito da morte de sua filha Madeleine", atacou ex-chefe. Nesta segunda, vários jornais ingleses se concentraram na divulgação de um e-mail anônimo que aponta uma ex-empregada do resort como autora do seqüestro. Ela teria por objetivo se vingar da diretoria do hotel após ser demitida. A tese é considerada um "fato trabalhado pelos McCann" por Amaral. Madeleine McCann desapareceu de seu quarto num complexo turístico da praia da Luz, no Algarve, em 3 de maio, poucos dias antes de completar quatro anos. Os pais dizem que são inocentes e organizaram uma enorme campanha para encontrar sua filha, que segundo eles foi seqüestrada.

Tudo o que sabemos sobre:
Madeleine McCann

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.