Diante da crise, esta é uma boa eleição para se perder

Novo premiê terá de fazer cortes profundos e impopulares em meio a Parlamento sem maioria absoluta

06 Maio 2010 | 23h35

John F. Burns, do New York Times

 

Apesar dos distúrbios nas ruas de Atenas e do tumulto na zona do euro, a economia foi o tema menos francamente debatido pelos três principais candidatos britânicos na reta final da campanha. Com o déficit  do Reino Unido vindo em segundo lugar depois da Grécia, alguns analistas sugerem que essa pode ser uma boa eleição para se perder.

 

Veja também:

linkBoca de urna no Reino Unido indica 'empate', cenário que favorece Brown

especialEntenda as eleições no Reino Unido

 

O ganhador será forçado a realizar cortes profundos e impopulares. A tarefa se tornará ainda mais difícil se a eleição de fato resultar num Parlamento em que nenhum partido tenha maioria absoluta ou numa frágil coalizão - cenários em que importantes decisões econômicas seriam adiadas. "Se o próximo governo não atacar o problema, o FMI terá de intervir. Lembro-me que foi muito humilhante", diz Ruth Lea, que trabalhou no Tesouro, em 1976, quando o Reino Unido viveu sua pior crise financeira desde a 2.ª Guerra.

 

As comparações com a Grécia começaram com o déficit deste ano: 11,5% do PIB de Londres ante os 13,6% de Atenas. A responsabilidade, nesse caso, é do premiê Gordon Brown e do Partido Trabalhista, que se engajaram numa farra de gastos depois de assumir o poder, em 1997. O atual orçamento de US$ 1,1 trilhão inclui US$ 150 bilhões para o serviço de saúde, três vezes mais do que o aplicado quando os trabalhistas chegaram ao poder.

 

Uma em cada quatro libras que o governo gasta é tomada emprestada. Segundo os economistas, isso exigirá cortes pelo próximo governo jamais vistos desde a Grande Depressão, além de aumentos dolorosos de impostos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.