Dinamarca não pode fazer referendo pelo Euro, diz premiê

Para Lars Lokke Rasmussen, país "não tem condições políticas nem econômicas" de votar adesâo à moeda

Reuters,

06 de outubro de 2009 | 17h04

COPENHAGUE - O primeiro-ministro da Dinamarca, Lars Lokke Rasmussen, afirmou nesta terça-feira, 6, que seu país não tem as condições políticas e econômicas para a realização de um referendo pela adoção do euro.

 

Os dinamarqueses recusaram a adesão à moeda europeia em um pleito de 2000, mas mostraram simpatia pelo Euro no fim do ano passado, com o agravamento da crise financeira global. Rasmussen, que é de centro-direita, é favorável à adoção da moeda, e espera realizar um novo referendo ainda antes das próximas eleições gerais, em 2011. No entanto, disse em numerosas ocasiões que ele não ocorrerá até que tenha garantida uma maioria parlamentar.

 

"Quando chegar a hora, espero que cumpramos com os critérios da Zona do Euro", disse o primeiro-ministro, em um discurso que inaugurou a temporada de outono do Parlamento Dinamarquês. "Não temos nem as condições políticas nem econômicas para a realização de um referendo neste momento."

 

O Ministério das Finanças reduziu para menos 4% a previsão do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dinamarquês em 2009. A estimativa anterior calculava uma queda de 3%.

Tudo o que sabemos sobre:
EuroeuropaDinamarcamoedareferendo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.