Dirigente austríaca que chamou Maomé de pedófilo é ameaçada

Dirigente de partido de extrema direita afirmou que Maomé escreveu o Corão durante ´um ataque epilético´

Efe,

15 de janeiro de 2008 | 20h55

Uma dirigente do partido austríaco de extrema direita FPÖ, Susanne Winter, foi ameaçada em um vídeo divulgado nesta terça-feira, 15, pela internet por chamar Maomé de "pedófilo" e afirmar que escreveu o Corão durante "um ataque epilético".   O vídeo, divulgado pelo YouTube, mostra imagens da reunião da legenda de domingo, 13, quando Winter fez um discurso criticado por quase todos os partidos políticos e organizações sociais austríacas.   "Susanne Winter, suas palavras foram um erro, e, com a ajuda de Alá, será castigada pelo que disse", afirma o vídeo. Após uma série de imagens dos atentados de 11 de setembro nos Estados Unidos, o vídeo acrescenta: "Por suas declarações algo similar pode acontecer em teu país. É a responsável por isso".   A imprensa austríaca indica uma possível procedência da região muçulmana de Sandzak (Sérvia), devido a palavras escritas em alguns emblemas que aparecem no vídeo.   Winter também disse que o Islã é "um sistema totalitário de dominação" e que seus fiéis "deveriam ser expulsos para onde vieram, ao outro lado do Mediterrâneo". Ela afirmou que em Graz, a segunda maior cidade austríaca, com 250 mil habitantes, há um "tsunami migratório muçulmano" e advertiu sobre "uma progressiva islamização".

Tudo o que sabemos sobre:
MaoméSusanne Winter

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.