Discurso de Ahmadinejad esvazia encontro da ONU

Presidente iraniano acusou Israel de ser 'regime cruel e racista' em Genebra; delegados ocidentais se retiraram

Agência Estado e Associated Press,

20 de abril de 2009 | 11h47

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, acusou Israel nesta segunda-feira, 20, de ser "o regime mais cruel e racista". A declaração gerou uma debandada de diplomatas ocidentais, durante uma conferência das Nações Unidas sobre racismo, em Genebra. Outros diplomatas protestaram contra a fala do líder iraniano. Em um discurso abrangente, Ahmadinejad atacou os Estados Unidos, a Europa e Israel, dizendo que eles desestabilizam todo o mundo.

 

Veja também:

linkAhmadinejad critica 'governo racista' de Israel na ONU

linkIsrael convoca embaixador em Genebra

linkDiscurso de Ahmadinejad esvazia conferência

linkAhmadinejad se diz favorável a dialogar com EUA em 'igualdade'

 

Alguns diplomatas europeus imediatamente deixaram o local, quando Ahmadinejad disse que Israel foi criada sob o "pretexto do sofrimento judaico" durante a Segunda Guerra. Um manifestante, gritando "Racista!, racista!", jogou um objeto vermelho em Ahmadinejad, atingindo o pódio e interrompendo seu discurso.

 

Os Estados Unidos e outros oito países ocidentais boicotam o evento desta semana. Um dos temores levantados por essas nações era de que o encontro se tornasse uma tribuna para ataques a Israel. Em entrevista coletiva, o presidente iraniano disse que os países que não participam do evento são "egoístas e arrogantes", segundo a agência France Presse.

 

Mais conteúdo sobre:
ONUAhmadinejad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.