Emmanuel Dunand/AP
Emmanuel Dunand/AP

Dominique Strauss-Kahn renuncia como chefe do FMI

Em comunicado, diretor diz ter tomado decisão 'com infinita tristeza' e negou acusações

Efe,

19 de maio de 2011 | 02h48

WASHINGTON - O diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, renunciou a seu cargo nesta quarta-feira, 18, após ter sido acusado de tentar estuprar uma camareira em Nova York.

 

Veja também:

blog CHACRA: Pior mostrar suspeito algemado ou divulgar nome de vítima?

som Estadão ESPN: Diretor do FMI declara que não é culpado

especial Políticos e seus escândalos sexuais

 

Em comunicado divulgado na noite desta quarta, o FMI anunciou que DSK - como o político é conhecido - apresentou sua renúncia perante o diretório da instituição financeira e negou "com veemência todas as acusações" apresentadas contra ele.

 

Segundo a nota, Strauss-Kahn tomou essa decisão "com infinita tristeza" e pensando, em primeiro lugar, em sua esposa, filhos, família e amigos.

 

No breve comunicado também se dirige aos colegas de FMI: "alcançamos grandes conquistas nos últimos três anos e meio", indicou.

 

DSK acrescenta em sua carta de renúncia que tomou a decisão porque quer proteger o FMI, "ao que serviu com honra e devoção, e especialmente porque quero dedicar todas as minhas forças, meu tempo e energia em provar a minha inocência".

 

Desde sua detenção em Nova York no último sábado após ter sido acusado de vários delitos sexuais contra uma camareira de um hotel, cresceu a pressão para que o político francês apresentasse sua renúncia à frente do organismo ao qual chegou há três anos e meio.

 

Timothy Geithner, secretário do Tesouro dos Estados Unidos, país que é o principal acionista do FMI, assegurou durante esta semana que Strauss-Kahn "não está em posição" de dirigir o FMI.

 

A direção do FMI foi assumida interinamente pelo americano John Lipsky, o número dois do organismo, enquanto teve início uma corrida pela sucessão de DSK, em meio a pedidos de maior transparência na escolha do novo líder da instituição.

 

Tradicionalmente, o diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) é um europeu, em pacto de cavalheiros firmado ao fim da Segunda Guerra Mundial que assegura a presidência do Banco Mundial (BM) a um americano.

 

O monopólio europeu, porém, agora está em xeque diante da pressão dos países emergentes para mudanças no sistema atual.

 

 

Saiba mais:

linkStrauss-Kahn pode ser libertado na quinta sob pagamento de fiança

linkCamareira diz não saber quem era Strauss-Kahn

linkMulher nega 'sexo consensual' com DSK

linkStrauss-Kahn deve alegar sexo consensual

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.