Remo Casilli/Reuters
Remo Casilli/Reuters

Dona do Costa Concordia prevê prejuízo de ao menos US$ 93 milhões

Prejuízo é referente somente à não utilização da embarcação nos próximos meses

REUTERS

16 de janeiro de 2012 | 10h16

Atualizado às 12h44.

 

LONDRES - A empresa Carnival Corp., dona do navio de cruzeiro Costa Concordia que naufragou no fim de semana no litoral da Itália, disse nesta segunda-feira, 16, que deve ter um prejuízo em torno de 93 milhões de dólares só pela não utilização da embarcação nos próximos meses.

 

Veja também:

som Passageiros brasileiros do Costa Concordia já foram resgatados, confirma embaixador

som Passageiro do Costa Concordia diz que não tem medo e embarcaria em outro cruzeiro amanhã

linkCosta Cruzeiros culpa comandante pelo naufrágio

link Alívio marca volta de 1º grupo ao Brasil

link Passageiro registra o pânico durante resgate

link 'Nos deram 50 euros e não deram informações' 

som 'Estadão ESPN': Ouça repórter que estava no navio

O grupo disse estar prestando essa informação por causa de regras relacionadas à transparência financeira, e que outros prejuízos ainda não podem ser estimados.

"A embarcação deve ficar fora de serviço pelo restante do atual ano fiscal, se não mais", disse a empresa em comunicado.

""Para o ano fiscal que termina em 30 de novembro, o impacto para os lucros de 2012 em decorrência da perda do uso é previsto em aproximadamente 85 a 95 milhões de dólares, ou 0,11 a 0,12 dólar por ação."

A empresa disse que o seguro da embarcação deve cobrir cerca de 30 milhões de dólares.

"A esta altura, nossa prioridade é a segurança dos nossos passageiros e tripulantes", disse Mickey Arison, presidente e executivo-chefe da Carnival Corporation.

"Estamos profundamente entristecidos por esse trágico evento, e nossos corações estão com todos os afetados pelo naufrágio do Costa Concordia, e especialmente com os familiares e entes queridos dos que perderam suas vidas."

A Carnival Corp. é a empresa controladora da Costa Cruzeiros.

 

Prejuízos

 

Luigi Foschi, presidente da empresa administradora do navio, disse, em coletiva de imprensa que, além do prejuízo com a não utilização da embarcação nos próximos meses, ainda deverão ser avaliados os danos relativos a seguros.

 

Os mais de 4 mil passageiros do navio poderão pedir o ressarcimento de todos os prejuízos, incluindo o preço da passagem, os danos derivados da perda das bagagens, o reembolso das despesas tidas com o retorno antecipado a suas casas e os danos derivados pela morte ou por lesões causadas pelo acidente.

 

Comandante preso 

 

O procurador-chefe de Grosseto, Francesco Verusio, declarou nesta segunda-feira, 16, que o comandante do navio Costa Concordia, Francesco Schettino, foi detido preventivamente porque a Justiça temia que ele fugisse.

 

"Optamos pela detenção, seguindo nossa hipótese relativa a um possível perigo de fuga do comandante, porque, navegando há muitos anos, já passou por vários pontos do mundo e poderia fugir", explicou o procurador.

 

Ele também afirmou que a suspeita de que Schettino tenha sido o responsável pelo naufrágio do cruzeiro "está encontrando confirmações nas primeiras investigações das forças de ordem e das autoridades marítimas".

 

Segundo o procurador, as investigações confirmaram que o comandante, no momento do impacto com as rochas, estava no leme da embarcação.

Schettino deve ser ouvido em uma audiência com um juiz de instrução entre amanhã e quarta-feira.

 

Com informações da ANSA.

Tudo o que sabemos sobre:
ITALIACOSTACONCORDIAPREJUIZO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.