Doze rebeldes morrem após ataques na Chechênia

A polícia da Chechênia matou 12 rebeldes no domingo após repelir um ataque contra a aldeia natal do presidente regional, disseram autoridades, numa emboscada ocorrida num período de relativa calma na volátil república russa.

REUTERS

29 de agosto de 2010 | 11h04

O presidente checheno, Ramzan Kadyrov, disse ao canal de televisão Rossiya-24 que encabeçou a operação para repelir o ataque contra a aldeia de Tsentoroi.

Ele e seu gabinete confirmaram o número de mortos no incidente, mas não ficou claro se Kadyrov estava no povoado no momento do atauqe ou se dirigiu as operações da capital, Grozny, situada a uns 60 quilômetros de distância.

Kadyrov, um ex-rebelde checheno que agora conta com o apoio de Moscou, prometeu levar a paz e a estabilidade à república, que sofre há mais de 15 anos com um conflito separatista esporádico.

Apesar disso, a Chechênia continua sendo cenário de inúmeros assassinatos políticos e chacinas.

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIACHECHENIAATAQUES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.