Sergei Karpukhin/Reuters
Sergei Karpukhin/Reuters

Eleição na Rússia foi esquematizada em favor de Putin, dizem monitores

Premiê teve mais espaço na mídia e usou recursos do Estado para fazer campanha

Reuters

05 de março de 2012 | 07h31

MOSCOU - As eleições presidenciais na Rússia foram claramente enviesadas em favor do primeiro-ministro Vladimir Putin, afirmaram monitores internacionais da votação num relatório nesta segunda-feira, 5.

 

Veja também:

linkPutin saúda eleição limpa, mas opositores convocam protestos

video TV ESTADÃO: O choro do 'homem forte' da Rússia

tabela ESPECIAL: Eleições na Rússia

 

"Não havia uma competição real e o abuso de recursos do governo asseguraram que o vencedor final das eleições nunca fosse uma dúvida", disse um dos monitores da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), Tonino Picula, no comunicado. "Eleições devem sempre ter o resultado como uma incógnita. Não foi o que aconteceu na Rússia. Segundo nossas conclusões, estas eleições foram injustas", concluiu.

 

Os observadores afirmaram que Putin, que obteve aproximadamente 64% dos votos, segundos os resultados oficiais, teve uma clara vantagem sobre seus rivais na mídia e que recursos do Estado foram utilizados a nível regional par apoiar sua campanha.

 

Os monitores, enviados pela OSCE e pelo Conselho Europeu, também pediram para que supostas violações eleitorais na votação de domingo fossem profundamente investigadas. A avaliação do processo eleitoral durante a votação foi positiva, de acordo com os monitores, mas a apuração é que foi vista como negativa em quase um terço dos colégios eleitorais observados, segundo o relatório.

 

Putin foi declarado o vencedor e disse ter vencido o pleito de forma "aberta e honesta". Grupos de oposição, porém, rejeitam a validade da votação e prometeram protestar nesta segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.