Luca Bruno/AP
Luca Bruno/AP

Eleição regional na Itália deve ter abstenção mais alta

Primeiro dia da votação tem baixo índice de comparecimento, que pode favorecer a oposição

Efe

28 de março de 2010 | 18h59

ROMA - Os 49.862 colégios eleitorais da Itália fecharam suas portas às 22h local (17h, Brasília) para voltar a abrir amanhã às 7h local (2h, Brasília) até as 15h (10h, Brasília) para começar a apuração dos votos das eleições regionais do país. Os dados do primeiro turno apontam um aumento da abstenção que, segundo os analistas, beneficiaria a oposição de centro-esquerda ao premiê Silvio Berlusconi.

A participação às 19h local (14h GMT) era do 35,4% com uma queda de quase sete pontos a respeito das de 2005 com 42% na mesma hora, informaram fontes do Ministério do Interior.A abstenção foi notável em regiões muito disputadas como Piemonte, Lácio, Apúlia e Ligúria.

Os analistas dizem que se em 2005 71,7% dos eleitores foram às urnas, as eleições atuais podem registrar uma queda de até sete e dez pontos e chegar a uma participação de entre 62% e 65%.

O partido do primeiro-ministro, Partido do Povo da Liberdade (PDL) e o da oposição, Partido Democrata (PD), de Pierluigi Bersani, medem suas forças para a renovação do governo das 13 regiões, 11 das quais se encontram nas mãos da centro-esquerda desde 2005.

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliaeleição regionalBerlusconi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.