Em meio à crise, metrô de Londres enfrenta greve

Nove linhas estão paradas e greve deve durar 72h; outra paralisação deve ocorrer na próxima segunda

03 de setembro de 2007 | 14h57

Uma greve dos operários que fazem a manutenção do sistema de metrô de Londres parou nesta segunda-feira, 3, todos os trens em nove linhas. Os britânicos que utilizam o serviço metroviário de Londres continuam enfrentando problemas. O governo havia fechado uma parceria com a empresa Metronet, a quem cabia cuidar de dois terços da manutenção do sistema de transporte público de metrô da cidade. O consórcio privado da Metronet pediu, durante a manutenção, enviou uma conta de £ 1 bilhão por trabalhos extras na rede de metrô. A empresa ia investir £ 17 bilhões nos próximos 30 anos, como parte do acordo.  Com o déficit de £ 1,2 bilhões previsto para apenas 7 anos e meio de operações, a empresa deixou as obras, que ficaram a cargo da empresa Ernst & Young. O London Underground (LU), anunciou a greve, prevista para durar 72 horas, afirmando que os serviços não voltarão a funcionar até a sexta-feira de manhã.  Outra greve de 72 horas está planejada para a próxima segunda-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
LondresMetrô

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.