Em meio a guerras no Oriente Médio, papa pedirá por tolerância em visita à Turquia

O papa Francisco inicia uma vista à Turquia nesta sexta-feira com uma missão delicada de fortalecer os laços com líderes muçulmanos, ao passo que condenará a violência contra cristãos e outros minorias no Oriente Médio. 

NICK TATTERSALL E ECE TOKSABAY, REUTERS

28 de novembro de 2014 | 09h20

Sua viagem de três dias acontece após insurgentes do Estado Islâmico terem capturado partes de território do Iraque e da Síria perto da fronteira da Turquia, declarando um califado islâmico e matando ou expulsando muçulmanos xiitas, cristãos e outros fiéis que não compartilham a crença no Islã sunita radical pregado pelo grupo.

Autoridades disseram que a tolerância religiosa e o combate ao extremismo estariam no topo da agenda do papa em Ancara nesta sexta-feira, quando Francisco se reunirá com o presidente turco, Tayyip Erdogan, e com Mehmet Gormez, principal clérigo do país de maioria muçulmana, mas constitucionalmente secular. 

A Turquia abriga cerca de 2 milhões de refugiados da Síria. Para alguns dos milhares de cristãos entre eles, isso representa o caminho reverso da luta de seus ancestrais há um século, quando a Primeira Guerra Mundial e a chegada do Estado turco pós-otomano tornaram a Turquia uma terra hostil. 

Em Istambul, o líder de 1,2 bilhão de católicos romanos no mundo se reunirá com o patriarca Bartolomeu, líder espiritual de cerca de 300 milhões de cristãos ortodoxos no mundo, como parte de um esforço para fortalecer os laços com a ala oriental do cristianismo. 

Eles vão emitir pedidos conjuntos sobre direitos humanos e liberdade religiosa, assim como sobre o medo de que o cristianismo esteja desaparecendo do local de suas origens no Oriente Médio, de acordo com o reverendo Dositheos Anagnostopoulos, porta-voz do patriarca. 

Francisco disse na terça-feira que, embora seja “quase impossível” ter um diálogo com insurgentes do Estado Islâmico, a porta não deve ser fechada. 

A Turquia será a terceira viagem feita por Francisco para uma nação de maioria muçulmana, após Jordânia e Albânia.

(Reportagem adicional de Philip Pullella em Roma, Ayla Jean Yackley em Istambul e Tulay Karadeniz em Ancara)

Mais conteúdo sobre:
TURQUIAPAPAVISITA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.