Em rara aparição, ex-chanceler alemão faz apelo pela unidade da Europa

O ex-chanceler alemão, Helmut Kohl, que reunificou a Alemanha e levou o país para o euro, pediu à Europa que se mantenha no caminho da integração, apesar da atual crise na sua moeda comum, e disse que o continente nunca mais deve descambar para o conflito.

NOAH BARKIN, Reuters

27 de setembro de 2012 | 21h36

Numa rara ocasião pública por ocasião dos 30 anos da sua posse como chanceler, Kohl foi homenageado por aliados partidários, por vários ex-presidentes e chanceleres, e também por Angela Merkel, ex-afilhada política que rompeu com ele há mais de uma década.

O político de 82 anos, fragilizado desde uma queda, em 2008, que o obrigou a passar meses hospitalizado, permanece praticamente em silêncio desde o início da crise do euro, há três anos, mas eventualmente se manifesta com dúvidas sobre a forma como Merkel administra a situação.

"A Europa nunca mais pode afundar na guerra", declarou ele no Museu Histórico Alemão, em Berlim. "Precisamos levar adiante a unificação da Europa. Façamos bom uso do tempo que temos."

Antes da fala dele, Merkel discursou elogiando a atuação do seu antecessor, mas também defendendo sua abordagem diante da crise, o que inclui a exigência de dolorosas medidas de austeridade em países endividados em troca da concessão de ajuda financeira, e a relutância em aceitar "soluções milagrosas", como a emissão conjunta de títulos financeiros na zona do euro.

Tudo o que sabemos sobre:
ALEMANHAKOHLEUROPA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.