Embaixador israelense no Reino Unido é convocado em Londres

Governo britânico ordena investigação sobre uso de passaportes falsos por suspeitos de matar líder do Hamas

estadao.com.br,

17 de fevereiro de 2010 | 17h11

O ministério das Relações Exteriores do Reino Unido convocou nesta quarta-feira, 17, o embaixador israelense em Londres para prestar esclarecimentos sobre a utilização de passaportes britânicos falsos no assassinato do líder do Hamas Mahmoud al-Mabhouh, no último dia 20, em Dubai nos Emirados Árabes.

Veja também:

blog Gustavo Chacra: É melhor um assassinato ou invadir um país?

 

O assassinato gerou um princípio de crise diplomática entre Israel e Grã-Bretanha. O primeiro-ministro Gordon Brown ordenou a abertura de uma investigação sobre o caso.

 

Autoridades britânicas questionam qual a participação de Israel no episódio, uma vez que o grupo Hamas acusa o serviço secreto israelense Mossad de ser autor do assassinato. O governo britânico quer também saber como os assassinos conseguiram os passaportes de seus cidadãos. 

  

A polícia de Dubai divulgou nesta semana a lista das 11 pessoas que teriam participado do assassinato do comandante militar do Hamas. Dentre elas, estão seis cidadãos britânicos e um alemão que vivem em Israel, e negam qualquer participação no crime.

 

Os outros quatro nomes teriam sido inventados pelos suspeitos. Dubai diz acreditar que 11 "agentes com passaportes europeus" foram responsáveis pelo ataque.

 

Negativa

 

o ministro das Relações Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, disse a uma rádio local que não há provas contra seu país.

"Não há razão para pensar que foi o Mossad, e não algum outro serviço de inteligência ou algum outro país que esteja por trás do episódio", declarou.

Rafi Eitan, um ex-membro do Mossad, negou envolvimento da organização no caso.

"O Mossad não está por trás do assassinato de Mahmoud el- Mabhouh. Isso é um ato de alguma organização estrangeira querendo incriminar Israel", dissse.

Tudo o que sabemos sobre:
MossadReino UnidoIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.