Embaixador pede que EUA retirarem diplomatas da Sérvia

Medida pode ser aprovada ainda nesta sexta-feira após prédio ser incendiado em protesto contra Kosovo

Agência Estado e Associated Press,

22 de fevereiro de 2008 | 14h08

O embaixador americano na Sérvia, Cameron Munter, pediu nesta sexta-feira, 22, para que alguns diplomatas da embaixada dos Estados Unidos no país sejam retirados após a onde de violência contra o prédio da chancelaria na noite de quinta-feira. Segundo o porta-voz da Casa Branca Sean McCormack, o pedido para que apenas os funcionários mais essenciais permaneçam no país deve ser aceito ainda nesta sexta.  Veja também:Polícia reforça segurança de embaixadas ocidentais na Sérvia Ouça o relato do enviado Lourival Sant'Anna Kosovo faz o mundo pisar em ovos  Entenda o que está em jogo em KosovoMapa: a disputa dos Bálcãs Veja lista de países que reconhecem a independência do Kosovo Vídeo de sérvias saqueando Belgrado é sucesso na internet Ainda nesta sexta, cerca de 2 mil manifestantes sérvios atacaram a polícia local no norte de Mitrovica, jogando pedras e material pirotécnico, durante um protesto que não deixou feridos, informou a polícia do Kosovo. Os manifestantes, a maioria jovens, jogaram pedras e material explosivos contra a polícia do outro lado do rio Ibar, fronteira natural que divide a cidade de Mitrovica em um setor sérvio e outro albanês. Além da embaixada na Sérvia, pelo menos outras três na região da ex-Iugoslávia estão sob forte esquema de segurança. Entre 80 e 100 americanos trabalham na embaixada em Belgrado, mas ainda não está claro quantos poderão deixar o país com seus familiares. O pedido de Munter acontece num momento em que todos os diplomatas americanos na região dos Bálcãs estão em alerta após a onda de violência contra a independência de Kosovo, reconhecida e defendida pelo governo de Washington. Os protestos foram motivados pela decisão dos Estados Unidos e de outros países de reconhecer a independência declarada unilateralmente no domingo por Kosovo, até então uma província sérvia. As embaixadas do Reino Unido, da Bélgica, da Croácia e da Turquia também foram atacadas, além de diversas lojas e restaurantes.  A União Européia (UE) pediu na sexta-feira à Sérvia que se empenhe mais na proteção das embaixadas atacadas por manifestantes contrários à independência de Kosovo, pois a violência pode afetar os laços entre o bloco e Belgrado.  A fachada da Embaixada ainda mostra o estrago feito por manifestantes, além de restos de faixas e cartazes carregados pelos responsáveis pelo ataque, onde se pode ler frases como "Kosovo sempre será da Sérvia". Dentro da Embaixada, os escritórios estão destruídos.O incêndio se espalhou rapidamente no local e um dos manifestantes foi morto. Seu corpo foi encontrado carbonizado no local. Testemunhas disseram que pelo menos mil pessoas atacaram a embaixada americana, que estava fechada naquele momento e aparentemente sem proteção policial. Convocada para controlar a situação, a tropa de choque da polícia usou veículos blindados e atirou bombas de gás lacrimogêneo contra os manifestantes.  Protestos na fronteira Em Kosovo, autoridades reforçaram a segurança na fronteira com a Sérvia por temor da infiltração de militantes sérvios. Um porta-voz da polícia kosovar disse que autoridades estavam restringindo o tráfego para Kosovo. Um porta-voz da polícia declarou que entre mil e 2 mil manifestantes, a maioria jovens, estavam lançando pedras e explosivos a partir do outro lado do rio Ibar, fronteira natural que divide a cidade de Mitrovica em duas etnias, sérvia e albanesa. Enquanto helicópteros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) sobrevoavam o céu de Mitrovica, a Polícia que estava na ponte se absteve, até o momento, de intervir, informou Besim Hoti, um porta-voz local policial. Estudantes na cidade de Mitrovica, de maioria sérvia, têm organizado protestos diários às 12h44, hora local, em alusão à resolução 1244 do Conselho de Segurança da ONU, na qual a Sérvia insiste ter soberania sobre Kosovo.

Mais conteúdo sobre:
KosovoSérviaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.