Emissoras britânicas se recusam a exibir apelo por Gaza

BBC E Sky News afirmam que propaganda afeta objetividade; premiê diz que decisão é de cada veículo

Agência Estado e Dow Jones,

26 de janeiro de 2009 | 13h03

A emissora britânica Sky News se uniu nesta segunda-feira, 26, à BBC, recusando-se a transmitir um apelo de caridade para as vítimas da violência na Faixa de Gaza, apesar da pressão de ministros e partidários. Para essas emissoras, isso colocaria em risco a objetividade da cobertura dos temas em Gaza. O apelo foi realizado pelo Comitê de Emergência a Desastres, um grupo que reúne 13 instituições de caridade, incluindo a Oxfam e a Cruz Vermelha Britânica. O comitê coordenou o esforço para arrecadar dinheiro após desastres como o tsunami no Oceano Índico, em 2004. Outras emissoras britânicas, como a ITV, o Channel 4 e o Five veicularam o pedido. Iniciada em 27 de dezembro, a ofensiva militar israelense de 22 dias na Faixa de Gaza deixou mais de 1 300 palestinos mortos e causou destruição no território. O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, acredita que é "acertadamente" uma decisão das emissoras de televisão transmitir ou não. A informação foi divulgada por um porta-voz de Brown nesta segunda-feira, segundo a agência France Presse. "Não é função do governo dizer à BBC ou a qualquer emissora" se deve ou não transmitir o apelo, disse o porta-voz. "Claramente nós apoiamos o apelo, mas também não vamos criticar as decisões editoriais das emissoras", acrescentou o porta-voz.

Tudo o que sabemos sobre:
Faixa de GazaHamasBBCReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.