Divulgação/Embaixada da Ucrânia
Divulgação/Embaixada da Ucrânia

Encarregado da Ucrânia diz que embaixada tem recebido pedidos de informações para refúgio

Em entrevista, o representante ucraniano pediu mais apoio à Ucrânia com envio de armas e equipamentos de proteção

Guilherme Pimenta, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2022 | 18h20

Brasília - O encarregado de negócios da embaixada da Ucrânia no Brasil, Anatoliy Tkach, informou neste sábado, 5, que a embaixada do país em Brasília tem recebido pedidos de informações de ucranianos para refúgio.

Anatoliy Tkach falou que ucranianos têm enviado pedidos de informação para a embaixada e também para representações brasileiras na Europa. Por enquanto, disse ele, não há refugiados aqui no País. Mais cedo, o Itamaraty informou ao Broadcast que ainda não há dados sobre a concessão de vistos humanitários a refugiados ucranianos.

Em entrevista coletiva concedida na embaixada hoje, o representante ucraniano pediu mais apoio à Ucrânia com envio de armas e equipamentos de proteção, bem como mais apoio financeiro e ampliação das sanções econômicas à Rússia.

"As sanções são necessárias para impedir a continuação da guerra. Elas já estão prejudicando a capacidade do país agressor", afirmou Tkach nesta tarde, ao citar a desvalorização do rublo (moeda russa) e dificuldade financeira das empresas. Segundo ele, já há mais de 10 mil russos mortos ou feridos. "A Ucrânia continua se defendendo contra a invasão Russa."

O encarregado também alegou que a Rússia está descumprindo os mecanismos de proteção humanitária acertados entre os dois países. Ele disse que bombardeios nos corredores criados para possibilitar a evacuação dos ucranianos os impediram de deixar o país.

O encarregado de negócios também informou que o avião com ajuda humanitária está indo do Brasil para a Ucrânia na próxima segunda-feira, 7. Mais cedo, o Itamaraty confirmou ao Broadcast que o envio de um avião para buscar brasileiros que deixaram o país está mantido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.