ENTREVISTA-Rússia quer diminuir presença do Estado na economia

A Rússia deseja reduzir a presença doEstado na economia e limitará os gastos do governo paracombater a alta da inflação, disse o presidente russo, DmitryMedvedev, em uma entrevista concedia à Reuters. Medvedev rejeitou qualquer idéia de uma estatal do setorenergético comprar participação em um dos maiores investimentosda Rússia no exterior, a petrolífera TNK-BP (metade da qual éde propriedade da BP ), e disse que o país não apostaria suaimensa reserva de petróleo em investimentos financeirosarriscados. Em uma entrevista sobre vários assuntos no Kremlin,Medvedev ressaltou a importância da cooperação internacionalpara solucionar os problemas econômicos do mundo e repetiu suaproposta de fazer do rublo uma de várias moedas a serem usadaspara criar fundos de reserva regionais, limitando a dependênciamundial do dólar. Analistas afirmam que a inflação em alta, que deve atingiros 14 por cento neste ano, é o maior problema econômico daRússia e acreditam que a economia esteja crescendo rápidodemais ou esteja superaquecida. Observando que os preços aumentam a uma velocidade mais deduas vezes maior que a meta original do governo, de 5 a 6 porcento ao ano, o presidente russo disse que seu país não possuium "superaquecimento sobrenatural", mas que deveria agir "deforma dura e clara para limitar essas tendênciasinflacionárias". Questionado sobre quais medidas adotaria especificamente, odirigente mencionou a redução dos gastos "excessivos" dogoverno. No entanto, observou que a Rússia "não poderia adotaruma política de taxas de juro isolando" os fatoresinternacionais. O país mantém a taxa de câmbio do rublo dentro de uma bandalimitada e está preocupado que altas taxas de juros para a jávalorizada moeda nacional provoquem a entrada de uma onda decapital especulativo no país. Medvedev sugeriu em fevereiro, pela primeira vez, dar aorublo um papel como moeda de reserva e citou novamente a idéiana entrevista, afirmando que isso ajudaria a construir umsistema financeiro global mais robusto. "Acreditamos que o rublo poderia, em potencial, aspirar aum papel de moeda de reserva regional", afirmou. "Acho que essaé uma missão totalmente factível, isso seria interessante paraa Rússia e para os governos da CEI (Comunidade dos EstadosIndependentes)." Medvedev defendeu o desempenho do antecessor dele nocomando do país, Vladimir Putin, que colocou alguns setores daeconomia, como o de energia e o de defesa, sob controle rígidodo Estado. Isso, segundo afirmou, era importante para "garantir osinteresses estratégicos da economia nos anos que estão porvir". "Mas qualquer fortalecimento no papel do Estado, aumentandosua presença na economia não está prevista", disse. "Pelocontrário, adotaremos medidas com vistas a reduzir a presençado Estado na economia."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.