Equipes buscam possível sobrevivente de terremoto na Itália

Cães farejadores apontam indícios de vida em escombros em L'Aquila; promotor quer investigação sobre prédios

Associated Press,

10 de abril de 2009 | 21h01

No início da noite desta sexta-feira, 10, horas depois do funeral coletivo para cerca de 200 vítimas do terremoto de segunda-feira, as equipes de resgate começaram a escavar nos escombros de um prédio de apartamentos em L'Aquila após os cães farejadores indicarem que alguma vítima ainda pode estar sob as ruínas, disse o porta-voz da Defesa Civil Luca Spoletini. As autoridades, contudo, alertaram contra conclusões precipitadas quanto a um possível sobrevivente.

 

Veja também:

email Está na Itália? Envie seu relato

lista Brasileiros contam como enfrentaram o tremor

lista Cronologia: Piores tremores dos últimos anos

especialEntenda como acontecem os terremotos

mais imagens Fotos: Veja as imagens

video TV Estadão: Vídeo mostra a destruição em Áquila

 

"Vamos continuar a cavar até termos a absoluta certeza" de que não há sobreviventes, disse o comandante do Corpo de Bombeiros, Antonio Gambardella, "mas não temos ilusões". "Ouvimos um sinal, um barulho fixo, mas pode ser água, ou o barulho de um refrigerador", disse. Ou os cães podem ter sentido o odor deixado pela pessoa que já tinha sido encontrada. Gambardella disse que as equipes de busca foram informadas de que uma faxineira ocasionalmente vinha para a casa e ela pode ter sido uma vítima.

 

Processo

 

Os engenheiros e geólogos disseram que prédios construídos dentro dos padrões de segurança contra terremotos não deveriam ter desabado, aumentando a possibilidade de que a legislação não tem sido seguida ou que materiais de má qualidade tenham sido usados.

 

O promotor de L'Aquila, Alfredo Rossini, disse que abriu uma investigação sobre a possível responsabilidade criminal para os colapsos dos prédios, segundo informou a agência de notícias italiana Ansa.

 

Bombeiros que apanhavam entulhos disseram à tevê estatal nesta noite que parte dos pilares de concreto reforçados que eles tinham removido pareciam ter sido mal feitos, possivelmente com areia. Em algumas construções em L'Aquila, ao utilizarem uma serra para cortar os pilares, eles se esfarelaram em pó, indicando que muita areia pode ter sido misturada ao cimento, disseram os bombeiros.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaTerremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.