Erdogan e Obama discutem transição política na Síria

O primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, e o presidente norte-americano, Barack Obama, discutiram como poderiam trabalhar juntos para agilizar a transição política na Síria durante uma ligação telefônica, afirmou o gabinete de Erdogan.

Reuters

31 de julho de 2012 | 08h09

O premiê turco, que já desfrutou de relações próximas com o presidente sírio, Bashar al-Assad, tornou-se um de seus críticos mais ferrenhos e exigiu que ele renunciasse à luz do levante popular que já dura 16 meses e matou milhares de civis.

"Nas conversas, eles assumiram os esforços de coordenação para acelerar o processo de transição política na Síria, incluindo a saída de Bashar al-Assad da administração e o atendimento às exigências legítimas do povo sírio", de acordo com um comunicado do gabinete de Erdogan.

A ligação ocorreu na segunda-feira e informações da mídia turca afirmaram que Erdogan e Obama conversaram por 36 minutos.

"Os dois líderes expressaram suas crescentes preocupações com a piora das condições humanas na Síria devido aos ataques do regime sírio contra o seu próprio povo e a selvageria do regime, mais recentemente visto em Aleppo", afirmou.

Obama e Erdogan também discutiram a necessidade de trabalharem juntos para ajudar os civis a tentarem escapar da violência na Síria.

Há cerca de 44.000 refugiados sírios na Turquia e há preocupações de que a ofensiva do Exército de Assad na cidade de Aleppo, no norte do país, possa fazer com que os números cresçam.

Tudo o que sabemos sobre:
TURQUIAOBAMAERDOGANSIRIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.