Escândalo de corrupção na Turquia se agrava com mais prisões e demissões

O governo do primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, removeu centenas de policiais durante a noite, informou a mídia local, como parte de uma investida contra um rival que ele acusa de tentar usurpar o poder do Estado ao prejudicar sua imagem por meio de uma investigação tendenciosa de corrupção.

DAREN BUTLER, Reuters

07 de janeiro de 2014 | 21h15

Alguns dos agentes, entre os quais membros de unidades de combate ao terrorismo, contrabando, crime organizado e financeiro, foram transferidos para serviços relacionados ao trânsito, de acordo com as notícias. A polícia de Ancara, principal foco da ação, não quis comentar o assunto.

Apesar das demissões, que incluem comandantes em altos postos, a polícia e promotores prosseguiram com as prisões, que nesta terça-feira tiveram como alvo a companhia ferroviária estatal e um porto.

Erdogan enfrenta o maior desafio de seus 11 anos de governo, período em que o Exército foi afastado da política, a economia floresceu e a Turquia ampliou seu papel no Oriente Médio.

Ele define as investidas da Justiça e da polícia, e também as prisões, como um "complô sujo" de um clérigo islâmico. O religioso não apoia nenhum partido político, mas exerce, na surdina, ampla influência na polícia e no Judiciário.

O escândalo de corrupção está abalando a confiança dos investidores na Turquia num momento em que a moeda do país, a lira, está com sua cotação atingindo níveis recordes de baixa, a inflação está subindo e o crescimento está mais lento.

Além do fato de ter sua raiz ideológica no islamismo, o apoio ao governista partido AK tem se baseado em seu compromisso de luta contra a corrupção e no desempenho da economia.

A incerteza provocada pelo escândalo poderia minar o crescimento econômico no curto prazo, disse o ministro das Finanças, Mehmet Simsek, enquanto a agência de classificação de risco Fitch alertava nesta terça-feira que uma crise prolongada poderia enfraquecer a credibilidade da Turquia.

Os detalhes das acusações de corrupção não foram divulgados ao público, mas se acredita que estejam relacionados a projetos estatais de construção e ao setor imobiliário, além do comércio de ouro da Turquia com o Irã, segundo informações da imprensa turca, que cita documentos da promotoria.

Empresários conhecidos, filhos de três ministros e autoridades do Estado estão entre as pessoas detidas para interrogatório. Das dezenas de interrogados, a maioria foi solta. Permanecem detidas sob custódia 24 pessoas, incluindo dois dos filhos de ministros, segundo a mídia local.

Tudo o que sabemos sobre:
TURQUIACORRUPCAOPRISOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.