Escócia tem apoio para independência na Grã-Bretanha--pesquisa

As propostas pela independência escocesa têm apoio maior no resto da Grã-Bretanha do que na própria Escócia, revelou uma pesquisa publicada nesta quinta-feira.

REUTERS

12 de maio de 2011 | 08h58

O Partido Nacional Escocês (SNP, na sigla em inglês), favorável à independência, conquistou uma maioria no Parlamento regional escocês pela primeira vez em uma eleição na semana passada e prometeu realizar um referendo na Escócia dentro dos próximos cinco anos sobre a secessão.

Apenas 29 por cento dos adultos escoceses apoiam a independência, segundo a pesquisa YouGov publicada no jornal tablóide The Sun. Em contraste, 41 por cento dos adultos na Inglaterra e no País de Gales disseram acreditar que a Escócia deveria se tornar independente.

O número reflete a visão em partes da Grã-Bretanha de que a Escócia está se aproveitando financeiramente da atual conjuntura, que permite ao seu Parlamento regional decidir sobre questões de saúde e educação, enquanto é financiado por um fundo de 30 bilhões de libras (49,5 bilhões de dólares) que saem dos cofres do governo central britânico.

Segundo o SNP, essa visão não considera a renda gerada pelo petróleo no Mar do Norte, que é transferida para o tesouro britânico em Londres.

O líder do SNP, Alex Salmond, conhecido como um dos políticos britânicos mais astuciosos, pretende adiar o referendo sobre a independência até o final de seu mandato de cinco anos, e quer transformar a recente ascensão do SNP em maior apoio à separação de Londres.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, líder do Partido Conservador que conseguiu somente 15 cadeiras no Parlamento regional escocês de 128 membros, prometeu defender a unidade britânica "com toda força que eu tiver".

A pesquisa do YouGov ouviu 1.175 escoceses e 2.159 ingleses e galeses adultos nesta semana.

Tudo o que sabemos sobre:
GRABRETANHAESCOCIAPESQUISA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.