Espanha admite demora na identificação de corpos em acidente

Tragédia matou 153 pessoas; psicólogos permanecem nos hotéis para auxiliar os familiares das vítimas

Efe

24 de agosto de 2008 | 11h10

O governo da Espanha admitiu neste domingo, 24,  que a identificação por DNA das vítimas do acidente aéreo no aeroporto de Barajas-Madri, "está durando mais" que o previsto, e afirmou que o importante é dizer a verdade às famílias. Assim se manifestou o ministro de Interior espanhol, Alfredo Pérez Rubalcaba, 24 horas depois de afirmar que a maioria das 153 vítimas da catástrofe estaria identificada nesta manhã.   Veja também: Brasileiro morto conheceria família da mulher nas Ilhas Canárias Lista de vítimas divulgada pela companhia Assista ao vídeo  Especial: Como foi o acidente na Espanha Livio Oricchio, repórter do Estado em Madri: cenário era de uma guerra    Após visitar um dos sobreviventes em um hospital - um menino de 8 anos -, o ministro evitou dar números sobre quantas vítimas já foram identificadas, seja por impressões digitais ou por exames de DNA. Porém, fontes do Ministério de Interior afirmaram nas últimas horas que os identificados são 62, sete dos quais tiveram sua identidade revelada por DNA.   Para Pérez Rubalcaba, a rapidez neste processo é um princípio que deve ser respeitado ao máximo, assim como o da segurança na identificação das vítimas, razão pela qual não quis falar em prazos desta vez.   "Temos que estar seguros de que o que estamos dizendo às famílias é a verdade", declarou o ministro. Por isso, as autoridades da Guarda Civil e da Polícia Nacional que supervisionam o processo de identificação por DNA se reuniram em um hotel na capital espanhola com parentes das vítimas para explicar as complexidades que estão surgindo.   "Em acidentes tão dramáticos" como o de quarta-feira no aeroporto de Barajas, disse o ministro, o DNA das vítimas "não está bom", por isso a identificação "leva tempo".

Tudo o que sabemos sobre:
Espanhacorposacidente em Madri

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.