Espanha assume presidência da UE centrada na economia

Liderança espanhola será a primeira à frente do grupo sob vigência do Tratado de Lisboa

Efe,

31 de dezembro de 2009 | 10h14

A Espanha assume na sexta-feira, dia 1º, a presidência semestral da União Europeia (UE) com atenção especial à recuperação econômica, às novas regras internas fixadas pelo Tratado de Lisboa e à América Latina.

 

A quarta presidência europeia da Espanha vem condicionada pela crise econômica, cujas consequências a UE ainda sofre, e pela necessidade de impulsionar um marco de crescimento sustentável que permita a criação de postos de trabalho de qualidade nos próximos anos.

 

Garantir a recuperação econômica e lançar uma "nova estratégia de política econômica comum" com uma maior coordenação entre os 27 Estados-membros é um dos principais objetivos do governo espanhol, presidido pelo socialista José Luis Rodríguez Zapatero.

 

Durante o mandato espanhol, os países da UE deverão renovar a chamada Estratégia de Lisboa, para fixar as bases do futuro modelo econômico na próxima década.

 

Para o governo espanhol, é conveniente que a saída da crise se apoie em políticas coordenadas para que haja a retirada progressiva dos estímulos fiscais e das ajudas ao setor financeiro aplicadas nos últimos meses, reduzindo assim o déficit público.

 

Também no plano econômico, a Espanha marcou como objetivos fazer com que a UE continue liderando a luta contra a mudança climática depois do fracasso da cúpula de Copenhague e promover uma política energética comum para garantir o fornecimento.

 

A Espanha enfrenta um Parlamento Europeu renovado em junho, uma Comissão executiva ainda não instalada e um novo tratado que entrou em vigor há algumas semanas após oito anos de uma gestação problemática.

 

O Tratado de Lisboa, que entrou em vigor no último dia 1º, introduz importantes mudanças na maquinaria europeia. A presidência espanhola é a primeira que vai transcorrer integralmente com o novo Tratado, depois que a Suécia foi testemunha de sua entrada em vigor há um mês.

 

Uma vez escolhido o presidente estável do Conselho Europeu, o belga Herman Van Rompuy, e a Alta Representante para a Política Externa, a britânica Catherine Ashton, a Espanha definirá as regras de convivência de ambos os cargos com a Presidência rotatória.

 

Uma das aspirações de Zapatero é reforçar a imagem de unidade da Europa no exterior, para poder falar de igual para igual com grandes potências. Além disso, Zapatero afirmou recentemente que espera que este período ajude a superar a indiferença dos cidadãos europeus a respeito da Europa.

 

O governo espanhol se propõe a reforçar a presença e influência da UE na nova realidade internacional, tema no qual a Espanha concede especial relevância à América Latina, sem perder peso frente a potências como China e EUA.

 

O fortalecimento da cooperação antiterrorista centrará a nova agenda de trabalho que a UE deve acordar com os EUA em cúpula que deve contar com a presença do presidente americano, Barack Obama, no final de maio em Madri.

Tudo o que sabemos sobre:
União EuropeiaEuropaUESantos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.