Espanha confirma absolvição de 4 em atentados a trens em Madri

O Supremo Tribunal da Espanha confirmouna quinta-feira a absolvição de Rabei Osman El Sayed, "Mohamed,o Egípcio", e de outros três homens acusados de serem osautores intelectuais do atentados de 11 de março de 2004 contratrens de Madri. A promotoria havia acusado os quatro de serem os cabeçaspor trás dos ataques em que morreram 191 pessoas e ficaramferidas mais de 1.800. A ação é considerada o pior atentadorelacionado à rede Al Qaeda ocorrido na Europa. Ninguém foi condenado pela autoria dos ataques. Sayed também foi absolvido da acusação de pertencer a umaorganização terrorista por já ter sido sentenciadoanteriormente na Itália pelo mesmo crime. "As modificações realizadas foram de caráter técnico. Houvealguns pontos divergentes, mas a sentença (do Supremo Tribunal)confirma as opiniões defendidas desde o princípio pelaassociação 11-M", afirmou José María Fuster Fabra, advogado do11-M Atingidos pelo Terrorismo, que reúne famílias das vítimas. O veredicto da corte mais alta da Espanha, que revisava umasentença de outubro do ano passado, inocentou quatro dos réus econdenou um outro. Com isso, 18 das 28 pessoas processadasdevido aos ataques com bombas acabaram sendo condenadas. O Supremo Tribunal, no veredicto de 900 páginas divulgadona quinta-feira, não determina quem foram os autoresintelectuais dos atentados. Nem modifica as principais condenações: como autoresmateriais, o ex-mineiro das Astúrias Emilio Suárez Trashorraspor fornecer os explosivos e os marroquinos Jamal Zougam eOtman el Gounai por plantar ou transportar as bombas nos trens. Todos foram sentenciados a milhares de anos de prisão, dosquais cumprirão um máximo de 40 anos, segundo prevê alegislação espanhola. (Por Emma Pinedo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.