Espanha está 'abalada' por acidente aéreo, diz Zapatero

Premiê espanhol suspende férias e volta a Madri para acompanhar trabalhos de resgate; 153 morreram

Efe,

20 de agosto de 2008 | 19h52

O primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, disse que seu governo "fará todo o esforço" para apoiar as famílias das vítimas do acidente com um avião da Spanair ocorrido nesta quarta-feira, 20, em Madri, no qual 153 pessoas morreram. Assim como o resto da população, o governo, disse Zapatero, está comovido e muito abalado por esta "terrível" tragédia.   Veja também: Lista de vítimas divulgada pela companhia Aeronaves MD-80 têm longo histórico de acidentes aéreos Assista ao vídeo  Especial: Como foi o acidente na Espanha Livio Oricchio, repórter do Estado em Madri: cenário era de uma guerra  Não há confirmação de brasileiros no vôo  O lugar parece o inferno, diz testemunha   Zapatero, que suspendeu suas férias assim que tomou conhecimento do ocorrido, seguiu direto para o aeroporto de Barajas, local do acidente, para acompanhar de perto os trabalhos de resgate e de assistência aos feridos e às famílias das vítimas.   Em declarações à imprensa, o chefe do Executivo espanhol primeiro manifestou seu pesar, suas condolências e sua solidariedade aos parentes das vítimas "deste terrível acidente". Além disso, reconheceu o esforço de "todos" os que trabalharam para fazer frente às conseqüências deste "grande drama", como os agentes da Guarda Civil, do Corpo de Bombeiros, do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samur) e das Polícias Nacional e Municipal.   O premiê disse ainda que uma comissão de investigação seria criada imediatamente pelo Ministério de Fomento para determinar as causas do acidente. O governo, acrescentou, "fará todo o esforço" para ajudar as famílias neste "momento tão difícil, como é o de receber uma notícia deste peso". "Logicamente, o governo está consternado e abalado, como estão todos os espanhóis", concluiu.

Tudo o que sabemos sobre:
Espanhaacidente aéreo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.