Espanha propõe endurecimento de lei de imigração

Reforma prevê restringir o reagrupamento familiar de imigrantes e amplia o tempo de retenção para repatriação

Ansa,

19 de junho de 2008 | 15h42

O governo espanhol anunciou nesta quinta-feira, 19, que irá propor uma reforma da lei da imigração antes de 2009, que prevê restringir o reagrupamento familiar de imigrantes e a ampliação de 40 a 60 dias de retenção de pessoas à espera de repatriação. A vice-premier espanhola, María Teresa Fernández de la Vega, afirmou nesta quinta que o governo apresentará uma "reforma parcial e limitada" da Lei da Imigração em setembro, para ser votada no Parlamento "antes do fim do ano" e entrar em vigor em 2009. Veja também:Brasileiros são presos na Espanha por falsificação Brasil 'lamenta' endurecimento de legislação de imigração na UEParlamento europeu aprova expulsão de imigrantes ilegais A reforma será abordada com o "máximo consenso" entre agentes sociais, imigrantes e partidos políticos, continuou a vice-premier na reunião de abertura da comissão delegada pelo governo para a Política de Imigração. O governo introduzirá assim modificações já anunciadas pelo ministro do Trabalho e Imigração, Celestino Corbacho, para restringir o reagrupamento dos imigrantes, permitindo apenas o caso de cônjuges e filhos menores de 18 anos e não de pais e sogros. A vice-chefe de governo também anunciou que o novo texto incluirá uma ampliação de 40 a 60 dias à retenção de imigrantes à espera de repatriação, ao considerar que o atual período máximo "em algumas ocasiões, é pequeno" para efetuar os trâmites de retorno.

Mais conteúdo sobre:
Espanhaimigração

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.