REUTERS/Jon Nazca
REUTERS/Jon Nazca

Espanha resgata quase mil imigrantes do Mar Mediterrâneo em dois dias

De acordo com dados do serviço de resgate marítimo do país, apenas nesta manhã de sábado, 28, foram resgatadas 206 pessoas de dez nacionalidades diferentes

O Estado de S.Paulo

28 Julho 2018 | 12h30

MADRI – A Espanha informou ter resgatado nos últimos dois dias quase 1.000 imigrantes que tentavam a perigosa travessia marítima para a Europa vindos do norte da África. De acordo com dados do serviço de resgate marítimo do país, apenas nesta manhã de sábado, 28, foram resgatadas do Mar Mediterrâneo 206 pessoas de 10 nacionalidades diferentes. Outros 774 imigrantes, que viajavam em 52 botes, foram resgatados ontem, 27.

Com a maior repressão das autoridades da Líbia dificultando a chegada de imigrantes via Itália, muitos tentam viajar da Argélia e Marrocos para a Espanha, onde mais de 20 mil já chegaram por vias marítimas em 2018.

A arriscada jornada ocorre em condições precárias, com os imigrantes viajando em pequenos barcos inadequados para navegar em mar aberto. Mais de 1.500 pessoas já morreram neste ano tentando cruzar o Mar Mediterrâneo.

A imigração para a Europa tem diminuído em relação a anos anteriores, mas o assunto tornou-se muito político.

Imigrantes invadem Estreito de Gibraltar

Nesta sexta-feira, 28, uma cena insólita causou espanto entre banhistas que aproveitavam o dia de sol em uma  praia perto de Tarifa, no Estreito de Gibraltar. Cerca de 30 imigrantes ilegais desembarcaram na praia e saíram correndo em direção à terra firme, em meio às dunas e bosques da região. Momentos antes, eles haviam sido perseguidos por um barco da Guarda Costeira da Espanha.

Imagens de vídeo mostraram os imigrantes, principalmente homens jovens, jogando seus coletes salva-vidas para fora do barco ao se aproximarem da costa e saltar para a praia. Enquanto faziam isso, os banhistas olhavam, atônitos.

Apesar do espanto dos banhistas, a cena é corriqueira. Gibraltar, a pequena faixa de água que separa o Marrocos da Europa continental, se tornou uma rota chave para imigrantes ilegais fugindo da África em direção à Europa.

No geral, os números de imigrantes que chegam à Europa estão em queda em relação ao pico de 2015, quando 55 mil desembarcaram no continente. A Espanha recentemente superou a Itália como destino preferido dos ilegais. Mais de 21 mil imigrantes chegaram ao país apenas neste ano – duas vezes mais do que o número no mesmo período em 2017, segundo o Ministério do Interior da Espanha.

Apesar de comum, a travessia segue sendo um risco aos imigrantes. Pelo quinto ano consecutivo, pelo menos 1.500 migrantes morreram no Mediterrâneo, tentando cruzar a rota entre a Líbia e a Itália, segundo  o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). / ASSOCIATED PRESS E REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.