Espanhóis quebram pára-brisas contra preço do diesel

Motoristas de caminhão da Espanhaquebraram pára-brisas e caminhoneiros portugueses bloquearamestradas na segunda-feira como parte dos protestos gerados pelaacentuada elevação do preço dos combustíveis em toda a Europa. Os motoristas espanhóis e portugueses deram início a umagreve por tempo indeterminado. E também houve protestos nafronteira com a França devido à disparada do preço do petróleo,atualmente em um patamar recorde. Com medo de que falte gasolina, muitos espanhóis formaramlongas filas em postos, esgotando o estoque de algumas cidades.Filas também surgiram em supermercados da Espanha e de Portugaldepois de os caminhoneiros terem dito que esses locais ficariamsem alimentos frescos dentro dos próximos dias. Caminhões enfileiraram-se por mais de 8 quilômetros do ladofrancês da fronteira depois de piqueteiros espanhóis teremquebrado os pára-brisas e os faróis de motoristas que tentaramfurar a greve, entrando na Espanha. "Ninguém está conseguindo mais ganhar um salário decente.Nem os caminhoneiros e nem os pescadores. Ninguém. E alguém temde encontrar uma solução para isso", afirmou Jaime Diaz,presidente da Confederação Nacional do Transporte Rodoviário,uma entidade espanhola. Os motoristas da Espanha fecharam a saída de centros dedistribuição enquanto exigem do governo que baixe o impostosobre a circulação de mercadorias a fim de compensar peloaumento de 35 por cento no preço do petróleo nos últimos 12meses. Na França, caminhoneiros impediram veículos de entrarem naEspanha pela cidade fronteiriça de Perthus, e 200 caminhõesatravancaram o tráfego em Bordeaux a fim de demandar do governoque permita aos motoristas comprarem diesel a preços menores. Em Portugal, um grupo de caminhoneiros ameaçou fechar asestradas principais do Algarve a fim de evitar que asmercadorias cheguem a essa região. Manifestações e greves em toda a Ásia já obrigaram paísescom economia em franca expansão, como a Índia, a Malásia e aIndonésia, a elevarem os subsídios gastos com os combustíveiscom vistas a diminuir o impacto dos altos preços. Na Caxemira, na segunda-feira, policiais usaram canhões deágua e cassetetes para dispersar centenas de funcionáriospúblicos que protestavam devido ao elevado custo do petróleo.Ao mesmo tempo, uma greve geral paralisava o Estado de Assam(nordeste da Índia). O aumento dos preços faz com que as taxas de inflaçãoatinjam recordes de alta na Ásia e em 15 países da zona doeuro. Bancos centrais de vários desses países anunciaram apossibilidade de aumentar suas taxas de juro para enfrentar oproblema. (Reportagem de Andrew Hay e Emma Pinedo em Madri, TamoraVidaillet em Paris e Axel Bugge em Lisboa)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.