Vladimir Rodionov/AP
Vladimir Rodionov/AP

Espiões russos têm de aprender com caso de traição, diz Medvedev

Jornal russo denunciou caso no qual espião de Moscou passou para o lado dos EUA

Reuters

12 de novembro de 2010 | 13h36

SEUL - O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, ordenou nesta sexta-feira, 12, que a agência de espionagem do país tenha mais cuidado com seus agentes. As declarações foram feitas depois que um agente em elevada posição hierárquica traiu a organização, passando para o lado dos EUA.

O Serviço Externo de Inteligência (SVR) está às voltas com a traição do chefe das operações nos EUA, num dos mais graves fiascos do setor de inteligência da Rússia desde o fim da Guerra Fria. "Deveria haver uma investigação interna e é preciso aprender com as lições", disse Medvedev a repórteres em uma entrevista depois da cúpula do G20, em Seul.

Quando questionado sobre a reportagem no jornal russo Kommersant, o primeiro a revelar a história, Medvedev disse que "a publicação do Kommersant não é novidade" e que ele sabia do caso 'no dia em que aconteceu."

O diário russo identificou o homem como coronel Shcherbakov e disse que ele foi responsável pela descoberta da rede de espionagem russa nos EUA, em junho. A prisão de seus membros humilhou Moscou apenas alguns dias depois de uma reunião em Washington entre Medvedev e o presidente norte-americano, Barack Obama. Os agentes detidos foram trocados em julho por russos suspeitos de espionar para o Ocidente, em uma troca no estilo da Guerra Fria.

Ao voltarem à Rússia, eles foram recebidos como heróis, cantaram canções patrióticas com o primeiro-ministro Vladimir Putin, que foi agente da extinta KGB, e receberam prêmios de Medvedev em uma cerimônia reservada no Kremlin.

Na época, Putin disse que eles tinham sido traídos, mas a gravidade da descoberta da rede de espionagem e o fato de Shcherbakov ter conseguido deixar a Rússia alimentam especulações de que o chefe do SVR, Mikhail Fradkov, possa ser demitido.

"O suposto espião era um alto funcionário russo e, portanto, alguém com grande acesso a informações altamente sensíveis, tais como identidades e ações dos operativos nos EUA", disse Jay LeBeau, um ex-dirigente da CIA. "Ele estava em posição de causar estragos enormes aos interesses da inteligência russa."

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaespionagemEUAMedvedev

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.