Stringer/ EFE
Stringer/ EFE

Estamos entrando em uma nova Guerra Fria muito pior que a original; leia o artigo

Putin agora pôs fim definitivamente à era pós-Guerra Fria, que se baseava na suposição de que as grandes guerras terrestres europeias haviam acabado para sempre

Mary Elise Sarotte*, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2022 | 05h01

Mantenha a velocidade, a altitude e o curso estáveis: esse era o mantra para os pilotos americanos que encontravam regularmente aeronaves soviéticas durante a Guerra Fria. E os soviéticos muitas vezes retribuíam o favor. Ao largo da costa, perto da cidade portuária russa de Vladivostok, pilotos de helicópteros das fragatas da Marinha dos EUA ficavam de olho na frota soviética na década de 1980, realizando missões regulares de vigilância. Os americanos esperavam um padrão de comportamento: geralmente dentro de 20 minutos ou mais de seu helicóptero decolar, os caças soviéticos MiG-27 se afastavam para uma identificação visual inicial da aeronave dos EUA. Dois helicópteros soviéticos Mi-24 “Hind” – maiores que os helicópteros americanos – seguiriam atrás, voando ao lado dos americanos por cerca de duas horas.

Mesmo sendo adversários, os pilotos soviéticos e americanos obedeceram a um código de conduta tácito, enraizado em padrões de comportamento previsíveis. No final do dia, todos chegavam em casa em segurança.

Eu tenho pensado muito sobre esse código enquanto observo a guerra se desenrolando na Ucrânia. Estou impressionada com a bravura dos ucranianos. Mas, como historiadora da Guerra Fria, temo que a invasão da Rússia, independentemente de seu resultado, prenuncia uma nova era de imensa hostilidade com Moscou – e que essa nova Guerra Fria seja muito pior do que a primeira.

Esse conflito do século 20 foi caracterizado por evitar o envolvimento direto da Rússia com o Ocidente, produzindo, em vez disso, guerras por procuração em outros países. A ousadia do presidente Vladimir Putin coloca essa tática em questão. Se ele for imprudente o suficiente para pulverizar civis ucranianos e arriscar uma rebelião popular, ele pode ser imprudente o suficiente para provocar a Otan.

As Forças Armadas muito maiores da Rússia - juntamente com sua oposição política interna, imprensa livre e liberdade de expressão sufocadas - significa que haverá poucas verificações na carnificina de Putin além do que os ucranianos desarmados podem fazer. E se sua conduta na Chechênia – um território que a Rússia feriu militarmente na década de 1990 – for um exemplo, uma possível ocupação da Ucrânia será sangrenta e brutal, com riscos adicionais.

Nem aqueles que observam a guerra de longe devem presumir que estão seguros. Além das consequências econômicas para o Ocidente – aumento dos preços do petróleo, possível estagflação – há cenários piores. Trinta anos após o fim da Guerra Fria, Washington e Moscou ainda controlam mais de 90% das ogivas nucleares do mundo – mais do que suficiente para devastar a maior parte da vida na Terra. Os mísseis que lançam essas ogivas têm a capacidade, por sua imensa velocidade e alcance, de reduzir o mundo a um lugar muito pequeno. Putin já colocou suas forças nucleares em alerta máximo e fez ameaças veladas de usá-las se o Ocidente intervir na Ucrânia.

Outro problema é a rapidez com que voltamos à hostilidade semelhante à Guerra Fria. Durante aquele período, que durou do final da década de 1940 até cerca de 1989, os padrões estabelecidos de não engajamento tiveram tempo de evoluir. Esses padrões não desapareceram inteiramente no século 21; durante o conflito na Síria, por exemplo, as potências ocidentais fizeram grandes esforços para não entrar em choque com a Rússia. Mas quando a luta está mais perto de casa para Moscou, todas as apostas estão perdidas.

No ano passado, um jato russo Su-24 sobrevoou o destróier da Marinha dos EUA Donald Cook no Mar Negro, passando a cerca de 100 metros. No mês passado, jatos russos Su-35 chegaram perto de aviões de vigilância americanos P-8A em três ocasiões distintas. (Uma das aeronaves russas passou a menos de um metro e meio de um avião americano, de acordo com autoridades dos EUA.)

Mesmo que uma chamada semelhante leve a uma colisão, ela não precisa necessariamente se transformar em guerra. Mas a atitude arrogante da Rússia se torna mais perigosa no contexto de sua invasão ucraniana e intenção hostil. Imagine este cenário: muitas aeronaves ocidentais modernas podem detectar uma aeronave inimiga mirando um alvo. Se eles encontrarem um piloto russo em modo de combate – por exemplo, enquanto voam em espaço aéreo contestado sobre o Mar Negro – eles podem concluir que se tornaram o alvo e agir de acordo, levando a um potencial incidente com baixas.

Se tratado como uma violação do Artigo 5 da Otan – que considera um ataque a um membro da aliança como um ataque a todos – esse contato e possíveis baixas podem atrair a aliança e, portanto, os Estados Unidos, para o conflito. É claro que a aliança pode optar por não ver o incidente como uma violação ou buscar apenas uma resposta mínima. Mas isso pode colocar em dúvida a determinação da Otan, assustando aliados da linha de frente e encorajando Putin.

 

A longevidade da Guerra Fria também deu a ambos os lados tempo e incentivo para negociar acordos de controle de armas. Washington e seus aliados concluíram uma série de tratados detalhados com Moscou que, embora falhos, pelo menos forneciam previsibilidade e monitoramento – tudo isso enquanto serviam para construir um relacionamento de longo prazo no gerenciamento do perigo nuclear.

Nos últimos anos, no entanto, ambos os lados abandonaram precipitadamente muitos desses acordos, considerando-os desatualizados e inconvenientemente restritivos. O Novo Tratado START é agora a única restrição ao número e tipos de armas nucleares dos EUA e da Rússia – e expira em 2026, com pouca esperança de renovação. Já se foram o Tratado de Mísseis Antibalísticos, que George W. Bush revogou em 2002, e o Tratado das Forças Armadas Convencionais na Europa, do qual Putin “suspendeu” a participação russa em 2007. E, mais relevante para a crise de hoje, em 2019, o presidente Donald Trump revogou o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário sob alegações de violações russas e acúmulo de armas chinesas (embora a China não fosse parte do tratado).

Assinado pelo presidente Ronald Reagan e pelo líder soviético Mikhail Gorbachev em 1987, o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário eliminou totalmente essa classe de armas. Agora que não existe mais, Putin afirma temer que a aliança possa implementar tais armas em território ucraniano contra alvos russos. Ele citou essa possibilidade, além de negar que a Ucrânia seja um país, entre suas motivações para invadir a Ucrânia.

Mesmo que Moscou possa ser trazida de volta à mesa de negociações, o que parece altamente improvável no futuro próximo, seriam necessários anos de negociações meticulosas para ressuscitar esses tratados. Seu desaparecimento é especialmente grave à luz de outras perdas – de comunicação entre militares, funcionários expulsos de embaixadas e consulados – e o desenvolvimento de novas formas de armas, como mísseis hipersônicos e guerra cibernética. Duas das maiores potências militares do mundo estão agora funcionando em isolamento quase total uma da outra, o que é um perigo para todos.

Outro problema é cultural. A ameaça de conflito termonuclear era onipresente para aqueles que atingiram a maioridade durante a Guerra Fria. No entanto, após décadas de paz entre o Ocidente e a Rússia, essa consciência cultural coletiva se dissipou em grande parte – embora a ameaça de conflito nuclear permaneça e, na semana passada, tenha voltado a níveis nunca vistos desde a Guerra Fria.

O presidente russo agora pôs fim definitivamente à era pós-Guerra Fria, que se baseava na suposição de que as grandes guerras terrestres europeias haviam acabado para sempre. A partir de sua invasão, fica bem claro que Putin não terá o equivalente geopolítico de velocidade, altitude ou curso constantes. Se, seguindo sua liderança imprudente, seus pilotos se voltarem para aeronaves da Otan ou provocarem qualquer um dos quatro Estados membros da Otan que fazem fronteira com a Ucrânia - seja por meio de exibicionismo ou sob ordens expressas - isso pode arrastar o Ocidente para o combate. E não apenas de forma limitada.

Desta vez, os Estados Unidos e seus aliados teriam que enfrentar a Rússia junto com as potências em ascensão da China, Irã e Coreia do Norte.

Por essa razão, as tropas ocidentais, já treinadas e cientes da maneira como os incidentes táticos podem ter implicações estratégicas, devem continuar a evitar uma escalada inadvertida. E Washington precisa se comunicar claramente não apenas com seus aliados, mas também com o público americano sobre os riscos envolvidos se o transbordamento da Ucrânia para o território do Artigo 5 se aproximar de um casus belli – um evento que provoca uma guerra.

Tornar-se um historiador requer a capacidade de desenvolver um senso de periodização. Sinto um período terminando. Agora tenho muito medo de que a imprudência de Putin possa fazer com que os anos entre a Guerra Fria e a pandemia de covid-19 pareçam um período tranquilo para futuros historiadores, em comparação com o que veio depois. Temo que nos encontremos perdendo a velha Guerra Fria.

*Mary Elise Sarotte (@e_sarotte) é professora de história na Johns Hopkins School of Advanced International Studies e autora de “Not One Inch: America, Russia, and the Making of Post- Cold War Stalemate”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.