ETA planejava sequestrar e matar vereador socialista basco

Os integrantes do comando Vizcaya, célulado ETA desarticulada nesta semana, tinham a intenção desequestrar e assassinar o vereador socialista basco BenjamínAtutxa, informou na sexta-feira a mídia espanhola, citandofontes da investigação. O chefe do chamado "complexo Vizcaya", Arkaitz Goikoetxea,confessou que, entre setembro e dezembro de 2007, o gruposeguiu o vereador de Eibar a fim de repetir o caso de MiguelÁngel Blanco, vereador do Partido Popular (PP) sequestrado eassassinado pelo ETA em 1997. Não foi possível confirmar a informação com o Ministério doInterior. "Todos sabemos que podemos ser alvos do ETA. Temos dedestacar hoje que este comando não vai cumprir seus objetivosporque foi detido", disse o secretário de organização doPartido Socialista de Euskadi, Rodolfo Ares. "É preciso ressaltar que, segundo parece, desistiram dosequestro porque, entre outras coisas, ele tinha escolta",acrescentou. A notícia das supostas intenções do ETA vem depois doanúncio, feito na quinta-feira, de que o grupo armado tambémqueria atacar o juiz Fernando Grande-Marlaska, que julgoualgumas ações contra o ETA em anos recentes. Além disso, a Guarda Civil localizou ontem doisesconderijos do grupo, nos quais havia detonadores, cordõesdetonantes e medicamentos. Um dos esconderijos, em Pazuengos, tinha 120 quilos deexplosivos, quatro jogos de identidades falsas e muita munição,além de cordão detonante e medicamentos tranquilizantes queserviriam para sedar o vereador, caso fosse sequestrado. O "Complexo Vizcaya", considerado o mais ativo do ETA desdeo fim do cessar-fogo, é responsável, entre outros atentados,pela bomba no quartel de Legutiano, em Álava, onde morreu oagente Juam Manuel Piñuel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.