EUA e vários membros da UE reconhecem Kosovo

Os maiores países da Europa e osEstados Unidos reconheceram a independência de Kosovo nasegunda-feira, colocando fim a horas de suspense para oprimeiro-ministro daquele novo país, Hashim Thaci, e seuscolegas. O Brasil informou em nota que é a favor da "continuidade denegociações sob os auspícios das Nações Unidas e considera queuma solução deve dar-se no âmbito multilateral". A França tornou-se a primeira a anunciar a decisão, depoisde um encontro de ministros das Relações Exteriores da UniãoEuropéia (UE), em Bruxelas. Grã-Bretanha, Alemanha e Itália aseguiram imediatamente. E depois foi a vez dos Estados Unidos. "Hoje os EUAformalmente reconhecem Kosovo como um Estado independente esoberano. Parabenizamos o povo de Kosovo nesta ocasiãohistórica", disse a secretária norte-americana de Estado,Condoleeza Rice, em comunicado. Foi um grande alívio para Kosovo, que se separou da Sérviano domingo após ficar quase nove anos sob administração daOrganização das Nações Unidas (ONU). "O reconhecimento de Kosovo é tão importante quanto adeclaração da independência", afirmou o vice-premiê de Kosovo,Hajredin Kuci, à Reuters. "Estamos agradecidos ... Essa é uma questão crucial para onovo Estado de Kosovo e para o bom funcionamento dele." A Finlândia disse que também integraria o grupo dos paísesque reconheciam Kosovo. A resposta tranquila que Thaci tinha esperado obter da UE edos EUA sofreu um abalo pouco antes, quando a Espanha,país-membro do bloco europeu, decidiu contestar a maioria deseus parceiros e dizer "não", Depois disso, o presidente norte-americano, George W. Bush,antecipou-se a seu Departamento de Estado para dizer "sim". Em uma entrevista concedida durante uma visita à África,Bush disse que o povo de Kosovo era "agora independente". Adeclaração foi interpretada em Kosovo como um reconhecimentooficial, mas a confirmação aconteceu horas depois. GOLPE NO INÍCIO Já a primeira resposta da UE representou uma decepção paraKosovo e um alívio para a Sérvia, contrária à secessão. "O governo da Espanha não reconhecerá esse ato unilateralproclamado ontem pela Assembléia de Kosovo", afirmou o ministroespanhol das Relações Exteriores, Miguel Ángel Moratinos, arepórteres. "Não reconheceremos isso porque acreditamos que a manobranão respeita as leis internacionais", disse. Chipre, Grécia, Eslováquia, Bulgária e Romênia indicaramtambém que não reconhecerão a independência de Kosovo porenquanto. Kosovo espera ser reconhecido oficialmente por até cempaíses. Houve protestos parte dos sérvios devido à secessãounilateral de sua Província do sul, controlada pela ONU e pelaOrganização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) há nove anos. Vários milhares participaram de manifestações realizadas emBelgrado pelo segundo dia consecutivo. Os protestostranscorreram de forma pacífica, porém algumas embaixadas depaíses ocidentais foram apedrejadas no domingo à noite. (Reportagem adicional de Ellie Tzortzi, Daria Sito-Sucic,Ivana Sekularac)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.