Europa cria centro para combater tráfico marítimo de drogas

Entidade pretende acabar com a entrada de substâncias no continente, grande parte vindas da América Latina

Efe,

30 de setembro de 2007 | 21h28

Sete países da União Européia (UE) criaram neste domingo, 30, um centro de operações para controlar o tráfego marítimo de drogas orientado sobretudo a combater a entrada de cocaína através do Atlântico. O documento foi assinado nas vésperas da reunião conselho informal de ministros de interior e justiça da UE, que será realizado em Lisboa nesta segunda-feira e na terça, pelos titulares de Espanha, França, Itália, Reino Unido, Irlanda, Holanda e Portugal.  Os sete países constituem o chamado Centro de Análise e Operações Marítimas contra o Narcotráfico que, segundo destacou o ministro português de justiça, Alberto Costa, já realizou várias operações contra o tráfico de drogas desde que começou a funcionar informalmente, em julho. O ministro do Interior espanhol, Alfredo Pérez Rubalcaba, que participou do ato em Lisboa, destacou que o centro é particularmente importante para a Espanha, uma das portas européias da droga.  O objetivo do centro é aproveitar as mais avançadas tecnologias e compartilhar esforços, informação e meios que os sete países possuem para frear a crescente entrada na Europa de droga, sobretudo cocaína procedente da América Latina. Tim Manhire, diretor-executivo do novo organismo, afirmou que está aberto para a colaboração de outros países europeus e que trabalhará também com os serviços antidroga dos Estados Unidos.

Tudo o que sabemos sobre:
TráficodrogasEuropa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.