Europa deve ter apenas 30% do tráfego normal operando nesta segunda

Conselho de Aeroportos estima que 17 mil passageiros estejam presos aguardando embarque

estadão.com.br

19 de abril de 2010 | 09h39

Passageiros observam painel no aeroporto de Estocolmo, na Suécia.

 

LONDRES - A agência de controle aéreo da Europa, a Eurocontrol, informou que prevê o cancelamento de 70% dos voos previstos para esta segunda-feira, 19, quinto dia consecutivo de caos nos aeroportos que o continente vive. A paralisação das atividades aéreas se dá por conta da nuvem de cinzas expelida por um vulcão no sul da Islândia que prejudica a visibilidade e a segurança das aeronaves que sobrevoam o espaço aéreo europeu.

 

Veja também:

linkEspecialista vê queda na atividade vulcânica

linkIata culpa autoridades por crise

linkReino Unido aciona Marinha para buscar britânicos

linkAutoridades se reúnem para discutir soluções

mais imagens Veja imagens do vulcão Eyjafjallajoekull

 

Segundo a Eurocontrol, apenas 8 mil ou 9 mil voos de cerca de 28 mil previstos devem operar nesta segunda. Até esta segunda, cerca de 63 mil voos haviam sido cancelados desde quinta-feira, e a estimativa era que de que 6,8 milhões de passageiros já haviam sido afetados desde então. A previsão da União Europeia para esta segunda-feira era de que 50% dos voos estariam operando normalmente.

 

Segundo o chefe de comunicações do Conselho Internacional de Aeroportos da Europa (ACI, na sigla em inglês), citado pelo jornal espanhol El País, há pelo menos 17 mil passageiros presos nos aeroportos europeus. "Há mais de mil viajantes sem ter onde ir em cada um dos dez principais aeroportos e cerca de 700 em outros dez locais de tamanho médio", disse Robert O'Meara.

 

O funcionário da Eurocontrol, porém, admite que a situação é ainda pior se considerados todos os mais de 6 milhões afetados pela crise aérea. "Alguns estão presos nos aeroportos, mas há quem esteja em hotéis e outros lugares. Todas essas pessoas têm algo em comum - foram impedidas de chegar aonde queriam", completou O'Meara.

 

A Associação Internacional de Trasporte Aéreo (IATA) culpa as autoridades pelo caos nos aeroportos do continente. "Isso é um vexame europeu, e é uma bagunça europeia", disse Giovanni Bisignani, diretor-geral do órgão. "A decisão que a Europa tomou foi sem uma avaliação de risco, sem consulta, sem coordenação, sem liderança", completou. Segundo a IATA, estima-se que a paralisação das atividades aéreas custem US$ 250 milhões por dia às companhias.

 

No domingo, aproximadamente 80% dos voos foram cancelados na Europa, registrando o pior dia da atual crise aérea. Alguns aeroportos menores, porém, retomaram suas atividades. Sérvia, Montenegro e Eslovênia abriram à meia-noite local espaço aéreo, que ficou fechado durante o sábado. A Autoridade Finlandesa de Aviação Civil (Finavia) decidiu abrir temporariamente o espaço aéreo no sul do país, fechado totalmente desde a sexta-feira passada.

 

A República Tcheca também abriu totalmente seu espaço aéreo ao meio-dia local (7 horas em Brasília), que permaneceu fechado desde a sexta-feira. A Hungria também abriu totalmente seu espaço aéreo nesta segunda, de acordo com o site de tráfego aéreo húngaro Control.

 

Permanecem com o espaço aéreo fechado Áustria, Bélgica, Bulgária, República Checa, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Irlanda, Letônia, Luxemburgo, Holanda, Polônia, Eslováquia, Suécia, Suíça e Reino Unido.

 

As regiões norte da Itália e da Noruega também têm restrições, mas operam alguns voos. Aeroportos de Grécia, Portugal, Rússia, Turquia, Ucrânia e Espanha operam normalmente.

 

(Com informações das agências Efe e BBC)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.