Europa pressiona por calendário de transição no Afeganistão

Sarkozy, Angela Merkel e Brown oficilizam proposta de reunião internacional pela segurança do país

Efe,

09 de setembro de 2009 | 12h02

Os governos de França, Alemanha e Reino Unido oficializaram nesta quarta-feira, 9, o pedido para a realização de uma conferência internacional sobre o Afeganistão antes do fim do ano, na qual será definida uma "fase de transição" para que os afegãos assumam progressivamente suas responsabilidades.

 

Veja também:

especial Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

video Vídeo: Correspondente do 'Estado' fala do conflito no país

 

Em carta dirigida ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, consideram que a conferência deveria acontecer após instalado o novo governo afegão.

 

Sarkozy, Angela e Brown indicam que, na conferência, seria preciso definir "novos critérios e objetivos temporários" para levar adiante "uma fase de transição no Afeganistão". Isso significa, segundo os três signatários, precisar o que se espera dos afegãos quanto a suas responsabilidades, assim como "uma visão clara de sua transferência progressiva, onde for possível".

 

Nesse contexto, os três líderes querem que sejam avaliadas formas de "acelerar, aumentar e melhorar a qualidade da formação das forças de segurança afegãs e como criar as condições locais apropriadas".

 

A carta também destaca que a conferência - que ainda não tem localidade definida - "permitirá reafirmar que estamos ao lado do povo afegão, e que estamos comprometidos com o objetivo comum de um Afeganistão em paz e segurança, que não voltará a se tornar um refúgio para os terroristas".

 

A missão será "estabelecer novas perspectivas e novos objetivos em matéria de governança, de estado de direito, de segurança e de desenvolvimento econômico e social no Afeganistão".

 

Os líderes da França, Alemanha e Reino Unido estimam que, com as passadas eleições presidenciais, que são objeto de polêmica devido à magnitude das fraudes, "o Afeganistão conseguiu uma etapa importante de sua história democrática".

 

Por isso, afirmam que "é o momento" de fazer um balanço dos "progressos realizados" desde as eleições presidenciais anteriores e "avaliar os desafios" do futuro.

 

Sarkozy, Merkel e Brown querem que a conferência seja copresidida pela ONU e pelo governo afegão, com a participação de "todos os países e as instituições que têm papel crucial para a reconstrução, o desenvolvimento e a estabilização do Afeganistão".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.