Europa segue vivendo caos aéreo por cinzas de vulcão

Vários países do continente já informaram que vão manter seus espaços aéreos fechados, total ou parcialmente

EFE

17 de abril de 2010 | 05h52

O caos aéreo na Europa, causado pelas cinzas do vulcão islandês Eyjafjälla, prossegue neste sábado, e vários países do continente já informaram que vão manter seus espaços aéreos fechados, total ou parcialmente.

 

A Alemanha, anunciou que todo seu espaço aéreo estará fechado pelo menos até as 9h (de Brasília), quando o departamento de segurança aérea do país vai analisar a situação e determinar se será possível permitir que os aviões voltem a circular. Na Holanda, os aeroportos ficam fechados pelo menos até esse mesmo horário.

 

A situação na Itália é menos drástica, mas ainda assim os aeroportos de Turim, Milão, Bérgamo, Veneza e Bolonha, cidades no norte do país, estão fechados também até as 9h, pelo horário de Brasília.

 

Após permitir pousos e decolagens em aeroportos da Escócia e do norte da Inglaterra, a entidade que regula o tráfego aéreo do Reino Unido voltou a fechar o espaço na noite desta sexta, e a proibição será mantida pelo menos até as 21h (de Brasília) de sábado.

 

Na França, na Bélgica e na Suíça, as autoridades já descartaram abrir os aeroportos pela manhã e à tarde, e o último aviso oficial dá conta de que pelo menos até as 20h locais (15h em Brasília) não haverá voos no país.

 

Países do leste europeu, para onde as cinzas se dirigiam, tiveram seus espaços aéreos fechados na noite desta sexta, e a situação se mantém neste sábado na Áustria, na Eslovênia, na Romênia, na Hungria, na República Tcheca e em parte da Croácia.

 

A situação tem aumentado a demanda dos passageiros pelas viagens de trem, o que tem causado longas filas em estações centrais de cidades como Viena. As empresas que operam as linhas ferroviárias têm disponibilizado mais composições para diminuir o problema.

Tudo o que sabemos sobre:
caos aéreo, vulcão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.