Ex-contadora de herdeira retira parte das acusações contra Sarkozy

Claire Thiboult havia exposto suposto financiamento ilegal na campanha do presidente francês

Efe

08 de julho de 2010 | 13h01

PARIS - Claire Thiboult, a antiga contadora da herdeira da L'Oréal, Liliane Bettencourt, retirou nesta quinta-feira, 8, parte das declarações explosivas que fez na terça-feira sobre o suposto financiamento ilegal da campanha do presidente francês, Nicolas Sarkozy.

 

O jornal "Le Monde" assegura que após as controvertidas revelações que a contadora fez ao site "Mediapart" na terça-feira, os investigadores voltaram a interrogar no dia seguinte.

 

Aparentemente, nesse segundo interrogatório ela negou que Bettencourt, de 87 anos, entregasse envelopes com dinheiro ao agora chefe do Estado quando ele era prefeito de Neuilly, cidade vizinha a Paris, nos anos 90.

 

Também colocou dúvidas em torno de datas e disse que o "Mediapart" distorceu suas palavras.

 

Ela manteve a informação de que a gerente da fortuna da idosa, Patrice de Maistre, lhe pediu 50 mil euros para doá-los ao agora ministro do Trabalho e tesoureiro do partido de Sarkozy na época, Eric Woerth.

 

O caso está nas mãos da Promotoria de Nanterre, nos arredores de Paris, que abriu uma investigação preliminar sobre as supostas contribuições ilegais que o partido governante União pelo Movimento Popular (UMP) teria recebido da herdeira através de Woerth.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.