Ex-mafiosos depõem sobre elo de Berlusconi com a Cosa Nostra

Prmeiro-ministro italiano é acusado por criminoso ligado ao clã de colaborar com a máfia napolitana

Efe,

11 de dezembro de 2009 | 09h33

Os irmãos Giuseppe e Filippo Graviano, ex-chefes de um dos clãs da Cosa Nostra, a máfia napolitana, serão interrogados nesta sexta-feira, 11, por meio de uma videoconferência na Itália.

A Justiça quer comparar suas versões com a de um de seus antigos subordinados, Gaspare Spatuzza, que afirmou que o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi colaborou com a máfia.

Além dos dois irmãos, que estão detidos desde 1994, também será interrogado outro ex-membro da Cosa Nostra, Cosimo Lo Nigro. No entanto, pelas leis do país, os três poderão se negar a responder, não esclarecendo as palavras de Spatuzza.

O interrogatório dos ex-chefes da máfia acontece em meio ao julgamento de apelação de Marcello Dell'Utri, amigo de Berlusconi e senador por seu partido, o Povo da Liberdade (PDL).  Em primeira instância, ele foi condenado a nove anos de prisão.

O promotor do caso, Nino Gatto, pedirá aos irmãos Graviano para que esclareçam se são verídicas as afirmações feitas no dia 4 de dezembro por Spatuzza, um mafioso arrependido que passou a colaborar com a Justiça.

Os Graviano, condenados à prisão perpétua por atentados em Roma, Milão e Florença, além do assassinato do padre Pino Puglisi, nunca colaboraram com a Justiça, mas também não criticaram Spatuzza e em uma ocasião disseram que respeitavam sua decisão, algo incomum no mundo da máfia.

Tudo o que sabemos sobre:
BerlusconiMáfiaCosa NostraItália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.