Ex-presidente francês é detido para interrogatório sobre vazamento de inquérito

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy estava sendo mantido sob custódia da polícia nesta terça-feira por suspeitas de que usou sua influência para obter detalhes vazados de um inquérito sobre supostas irregularidades em sua campanha eleitoral de 2007.

NICHOLAS VINOCUR, REUTERS

01 de julho de 2014 | 11h07

É a primeira vez que um ex-chefe de Estado francês é mantido sob custódia policial, e se trata de um duro golpe nas mais recentes esperanças de Sarkozy de voltar à Presidência do país, após a derrota para François Hollande nas eleições de 2012. O político conservador nega ter cometido qualquer irregularidade em uma série de investigações que o envolvem.

Sarkozy chegou na manhã desta terça-feira para ser questionado pelos investigadores em seus gabinetes de Nanterre, a oeste de Paris, após seu advogado ter também permanecido sob custódia para interrogatório na segunda-feira.

“O Sr. Sarkozy foi convocado em Nanterre e está sendo mantido para interrogatório”, disse uma fonte à Reuters.

Questionado sobre o assunto, o porta-voz do governo Stéphane Le Foll disse que Sarkozy estava “sujeito à Justiça como todo mundo”.

“Autoridades judiciais o estão investigando e têm de seguir até o fim”, disse ele a uma rede de TV.

Pela lei francesa, o tráfico de influência pode ser punido com até cinco anos de prisão e uma multa de 500.000 euros (682.000 dólares). Sarkozy perdeu a imunidade presidencial a processos um mês depois de deixar o poder, em junho de 2012.

(Reportagem adicional de Gerard Bon)

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCASARKOZYINTEROGADO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.