Ex-presidente francês Sarkozy defende reforma na UE e mais controle da imigração

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy tomou partido na campanha eleitoral para o Paramento Europeu nesta quinta-feira, pedindo controles mais firmes de imigração para uma Europa com dois ritmos diferentes, tendo como centro a poderosa zona econômica franco-germânica.

NICHOLAS VINOCUR, Reuters

22 Maio 2014 | 12h42

O ex-líder conservador, cuja expectativa é que volte a disputar o cargo de presidente em 2017, argumentou a favor de uma profunda reforma das instituições da União Europeia, pouco antes da eleição do Parlamento Europeu marcada para 25 de maio, na qual a Frente Nacional Eurocética, segundo pesquisas, pode emergir como o principal partido da França.

O partido conservador UMP, do qual Sarkozy faz parte, está amplamente dividido entre um campo amplamente pró-europeu e outro cada vez mais cético (eurocético), e os apoiadores de Sarkozy dizem que sua intervenção pode permitir uma reconciliação de ambos os lados e formar bases para futuras políticas europeias.

Em um editorial à revista Le Point, ele disse que a zona de viagens livres entre países europeus deveria ser suspensa e alterada para evitar que estrangeiros que entram no bloco tirem proveito dos generosos benefícios de bem-estar social de qualquer Estado membro.

“Estamos lutando contra um claro fracasso da política de imigração da Europa”, escreveu.

Ele também pressionou por mudanças na estrutura do bloco, argumentando que a ideia de todos os países do bloco serem iguais é um “mito" e que a lista de políticas a ser coordenada no nível regional deve ser reduzida a áreas como agricultura, energia, comércio e leis de concorrência.

“Esta não é uma Europa, mas duas… na zona do euro, devemos parar de acreditar no mito de direitos iguais entre todos os membros”.

“Defendo a criação de uma ampla zona econômica franco-germânica no coração da zona do euro, que nos permitirá defender melhor nossos interesses ao passo que erradicará nossas desvantagens fiscais e sociais”, escreveu.

(Reportagem adicional de Mark John)

Mais conteúdo sobre:
FRANCA SARKOZY UE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.