Explosão de carro-bomba mata oito na região russa do Daguestão

Um policial e sete civis foram mortos quando um carro-bomba explodiu na província russa do Daguestão, no muçulmano Cáucaso do Norte, nesta quarta-feira, disseram autoridades e a mídia local.

REUTERS

28 Setembro 2011 | 16h48

Três carros-bomba mataram seis pessoas e atiradores assassinaram mais quatro, incluindo um funcionário da polícia federal, na semana passada na região encravada entre a Chechênia e o Mar Cáspio.

O Daguestão é assolado quase que diariamente por tiroteios e ataques a bomba atribuídos a uma insurgência islâmica em todo o Cáucaso do Norte decorrente de duas guerras separatistas na Chechênia, a pobreza e um aumento no Islã radical.

"Como resultado do carro-bomba, um policial foi morto, juntamente com cinco civis que viajavam em outro veículo", disse à Reuters uma fonte no Comitê Regional de Investigação, falando sob condição de anonimato.

A estação de rádio Ekho Moskvy anunciou que mais dois civis foram mortos, incluindo uma menina de 11 anos de idade.

A fonte no comitê disse que o ataque ocorreu na vila de Hajjalmakhi, cerca de 60 quilômetros a sudoeste da capital Makhachkala.

Depois de descobrir um "veículo de aparência suspeita" vazio estacionado nos arredores da aldeia, a polícia começou a realizar uma investigação quando o carro explodiu em chamas, informou uma fonte policial à agência de notícias Interfax.

Rebeldes lutam por um Estado islâmico separado governado pela lei sharia no Cáucaso do Norte, de maioria muçulmana, na fronteira sul da Rússia.

O presidente russo, Dmitry Medvedev, classificou a insurgência como a principal ameaça à segurança do país antes da eleição presidencial de março de 2012, quando o primeiro-ministro do país, Vladimir Putin, tentará voltar ao Kremlin.

Os insurgentes assumiram responsabilidade por um atentado suicida no aeroporto Domodedovo, em Moscou, que matou 37 pessoas em janeiro e por um duplo atentado a bomba que matou 40 pessoas no metrô da capital russa no ano passado.

(Reportagem de Amie Ferris-Rotman)

Mais conteúdo sobre:
RUSSIADAGUESTAOEXPLOSAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.