Explosão de gasoduto causa incêndio e fere cinco em Moscou

Cerca de 50 equipes de bombeiros trabalharam mais de 15 horas para conter as chamas, de até 200 m de altura

Efe

10 de maio de 2009 | 10h31

Cerca de 50 equipes de bombeiros trabalharam mais de 15 horas para sufocar o incêndio provocado pela explosão de um gasoduto na noite de sábado, 9, no sudeste de Moscou. Segundo o Ministério de Emergências russo, cinco pessoas ficaram feridas por causa da explosão, e dezenas de veículos estacionados foram destruídos.

 

As chamas do incêndio, que começou às 00h36, chegaram a 200 metros de altura e, embora quatro horas depois os técnicos tenham cortado o fornecimento, o gás que restava no encanamento continuou alimentando o fogo até o início da tarde, pela hora local.

 

O fogo se propagou para dois edifícios administrativos vizinhos, onde destruiu vários laboratórios do Instituto de Pesquisas Químicas e Físicas, mas não atingiu as casas situadas a cerca de 500 metros.

 

O Ministério de Emergências russo classificou o incêndio como de categoria cinco (máxima), e o fogo deixou sem linha telefônica 100 mil assinantes. Apesar disso, não há perigo de contaminação na capital.

 

A Procuradoria e o prefeito de Moscou, Yuri Luzhkov, que foi ao local durante a noite, descartaram que a explosão e o incêndio fossem consequência de um ato subversivo ou terrorista, ao ressaltar que foi uma falha de caráter técnico.

 

Segundo especialistas, a ruptura do gasoduto pode ter sido causada por algum defeito dos encanamentos, um salto de pressão ou um deslizamento de terreno sob o duto ou sob a estrada vizinha, enquanto o fogo foi provocado pelos cabos da linha de ônibus elétricos.

Tudo o que sabemos sobre:
Moscouincêndiogasoduto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.