Família de Jean Charles aguarda 'investigação completa'

Embora condene Scotland Yard, ninguém será preso ou responsabilizado pela operação que matou brasileiro

Efe,

01 de novembro de 2007 | 17h19

A família do brasileiro Jean Charles de Menezes, morto por erro da polícia britânica em Londres em 22 de julho de 2005, disse nesta quinta-feira, 1, que "não descansará" até que se faça justiça. Os parentes do brasileiro disseram também que aguarda uma "investigação completa e consciente" do caso.   Caso Jean Charles, da morte à sentença contra a Scotland Yard Polícia é condenada por expor público na morte de Jean Charles   As declarações dos familiares do eletricista, que morreu baleado ao ser confundido com um terrorista na estação de metrô de Stockwell, zona sul de Londres, foram feitas momentos após a conclusão de um julgamento para apurar se a Scotland Yard expôs o público londrino a riscos durante a operação. O júri que avaliou o caso considerou a instituição culpada.   Falando em nome da família Menezes, o primo do brasileiro Erionaldo da Silva afirmou que se tratava de um dia "emocionante" para os parentes e amigos.   "Falei com a mãe de Jean Charles, Maria, e ela me disse que nada pode devolver seu filho, mas se alegra de que os homens e as mulheres do júri tenham considerado a polícia culpada", afirmou.   Erionaldo assegurou que os parentes do jovem estavam "decididos" a esperar até que "toda a verdade sobre a morte de Jean Charles" seja tornada pública, inclusive para que "os responsáveis por sua morte seja levados a julgamento".     "Agora estamos esperando uma investigação completa e consciente, da qual nós, como família, possamos finalmente participar e buscar respostas para todas nossas perguntas", disse.   Embora condene a Scotland Yard enquanto instituição, o veredicto desta quinta-feira não implicará na prisão ou responsabilização individual dos agentes ou comandantes envolvidos na operação.

Tudo o que sabemos sobre:
Jean Charles de MenezesReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.